a dignidade da diferença
27 de Outubro de 2013

  

 
«O que eu queria era pegar naqueles três acordes e aplicar-lhes as palavras. O meu amigo e professor Delmore Schwartz tinha escrito algumas novelas que me tinham impressionado tanto que pensei poder tocar aqueles acordes de que eu tanto gostava, satisfazendo ao mesmo tempo aquela parte de mim que desejava ser escritor.Podia juntar as duas coisas, parecia-me fácil, e ter assim tudo aquilo de que verdadeiramente gostava: a guitarra eléctrica, aqueles acordes e as palavras. Mas não queria parecer-me com todos os outros»
Lou Reed, Superstars, Andy WWarhol e os Velvet Underground (traduzido por João Lisboa). 

 

09 de Julho de 2008

 

Horsedrawn wishes, dos Rollerskatte Skinny (1997)

 

 

Canções incendiárias, cheias de fantasia e a lembrar uma estética de desenho animado, com a electricidade dos Velvet, Sonic youth e My Bloody Valentine e o lado sonhador dos Byrds, Brian Wilson e bandas sonoras de chocolate. Quem as criou passou como um cometa pelo ano de 1997, provavelmente já todos se esqueceram deles, mas a sua música permanece tal e qual como era: cheia de arestas limadas, afiadas e electrocutadas, derramando a lava incandescente de um vulcão e transgredindo regras, leis e conceitos adquiridos. Falo dos Rollerskate Skinny, a música que descrevo pertence ao espantoso «Horsedrawn Wishes», álbum vertiginoso, sobrenatural e irrepetível.

 

 

 

27 de Abril de 2008

Run to ruin - Nina Nastasia (2003)

 

 

 

Depois de «Dogs» e «The blackened air», a arte de Nina Nastasia surge refinada em todos os seus pormenores. Um canto fúnebre, falsamente doce e impossivelmente tenso, encaixado em melodias que de tão sinuosas e transviadas que são, parecem sobreviver fragmentadas e, aparentemente, à deriva, e que tem para nos oferecer uma quase oração cujas palavras têm o peso mais profundo que uma alma negra e esquizofrénica pode habitar. Prejudica um pouco a empatia com as canções, quando julgamos ser todo o suporte instrumental exageradamente rude, cru e desarrumado, até nos apercebermos que, afinal, os sons artesanais criam uma ambiência folk  irresistível e venenosamente melódica onde, afinal, tudo está no sítio certo. Desde o ruído das serras eléctricas, aos gemidos de um doente em estado terminal, sem esquece a dissonância, as explosões e os sussurros até aos cortes brutais a golpes de machado. Neste universo, convive-se, sem perigo, com pedaços de tango, sublimes arranjos de cordas, espasmos e murmúrios de violinos, atingindo os seus pontos altos na intensidade dramática de «You her and me» e nessa prodigiosa música de câmara que é «Superstar». Não haveria Nina Nastasia se não tivessem aparecido P. J. Harvey, Aimee Mann, Suzanne Vega, Laura Nyro e, talvez, Carla Bozulich, mas criou um universo tão pessoal, que já não precisa delas para coisa nenhuma. 

 

 

20 de Janeiro de 2008

 So tonight that I might see - Mazzy Star

 

 

Um magnífico disco crepuscular de 1993, vindo ao mundo por obra e graça dos Mazzy Star - essencialmente David Roback e a sublime voz narcótica (e o rosto) de Hope Sandoval -, com a ajuda (espiritual) dos Love, dos Velvet Underground e de mais dois ou três responsáveis pelo renascimento do rock americano em meados da década de 1980.

publicado por adignidadedadiferenca às 19:03 link do post
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO