a dignidade da diferença
17 de Fevereiro de 2011

 

O universo singular, intenso, dramático e espectral de Nina Nastasia está de regresso com o magnífico Outlaster. Estão de volta os textos incisivos e as linhas emocionais, as mãos frias e os gritos lancinantes, o pó do deserto, as fricções rítmicas, as melodias telegráficas e as dementes explosões sonoras, os quais, numa assombrosa estética da convulsão, criam a matriz, verdadeiro teatro de emoções, que forma o corpo das canções simultaneamente rudes e doces da autora norte-americana. Ou seja, com Outlaster, produzido novamente por Steve Albini, Nina Nastasia insiste nas suas orações nocturnas, nos versos literários esquálidos e desesperados, mas, desta vez, substitui a superior e subtil coordenação de um conjunto instrumental aparentemente desarrumado – confirmar nos anteriores e excelentes Dogs, The Blackened Air e Run To Ruin -, e devolve-nos as suas sombras desfiguradas através de um espantoso ensemble de câmara, responsável pela criação de um punhado de ameaçadoras peças musicais orquestradas em forma de tango fúnebre, golpeado antes da definitiva despedida, soltando os últimos espasmos de aflição, ódio e desespero. 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 23:22 link do post
27 de Abril de 2008

Run to ruin - Nina Nastasia (2003)

 

 

 

Depois de «Dogs» e «The blackened air», a arte de Nina Nastasia surge refinada em todos os seus pormenores. Um canto fúnebre, falsamente doce e impossivelmente tenso, encaixado em melodias que de tão sinuosas e transviadas que são, parecem sobreviver fragmentadas e, aparentemente, à deriva, e que tem para nos oferecer uma quase oração cujas palavras têm o peso mais profundo que uma alma negra e esquizofrénica pode habitar. Prejudica um pouco a empatia com as canções, quando julgamos ser todo o suporte instrumental exageradamente rude, cru e desarrumado, até nos apercebermos que, afinal, os sons artesanais criam uma ambiência folk  irresistível e venenosamente melódica onde, afinal, tudo está no sítio certo. Desde o ruído das serras eléctricas, aos gemidos de um doente em estado terminal, sem esquece a dissonância, as explosões e os sussurros até aos cortes brutais a golpes de machado. Neste universo, convive-se, sem perigo, com pedaços de tango, sublimes arranjos de cordas, espasmos e murmúrios de violinos, atingindo os seus pontos altos na intensidade dramática de «You her and me» e nessa prodigiosa música de câmara que é «Superstar». Não haveria Nina Nastasia se não tivessem aparecido P. J. Harvey, Aimee Mann, Suzanne Vega, Laura Nyro e, talvez, Carla Bozulich, mas criou um universo tão pessoal, que já não precisa delas para coisa nenhuma. 

 

 

Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Boa tarde,Sabe como posso contactar o autor deste ...
Boa tarde,Sabe como posso contactar o autor deste ...
Boa tarde,Sabe como posso contactar o autor deste ...
Boa noite,Ainda tem o DVD do documentário Tristeza...
Boa tarde,Sabe como posso contactar o autor deste ...
Boa tarde,Sabe como posso contactar o autor deste ...
Boa tarde,Sabe como posso contactar o autor deste ...
Boa tarde,Sabe como posso contactar o autor deste ...
Boa tarde,Confirmo o meu interesse no DVD Tristeza...
Boa tarde,Ainda tem o DVD do documentário Tristeza...
Caro Rui Gonçalves,Venho por este meio solicitar q...
Bom dia,Confirmo o meu interesse no DVD Tristeza e...
blogs SAPO