a dignidade da diferença
07 de Maio de 2008

Snowleg, a imagem do teu rosto - Nicholas Shakespeare

Peter descobre aos 16 anos que o pai não é o inglês que está casado com a sua mãe, mas sim um dissidente político da RDA, com quem ela tivera um breve romance nos anos de 1960, descoberta que o faz decidir, atraído pela curiosidade, partir para a Alemanha Ocidental (Hamburgo) em busca do seu passado.

Eis o ponto de partida para um belíssimo e intimista romance, aconselhado por um amigo, de um autor para mim desconhecido até há bem pouco tempo.

A história prossegue e conta-se em breves trechos: Peter, a dado passo, atravessa a cortina de ferro e, em Leipzig, apaixona-se por uma jovem alemã de leste que vive a fase em que se começa a questionar o mundo e a política dos seus governantes.

Numa das primeiras coincidências incluídas no romance, revela-se muito do talento do autor. Refiro-me à tentativa que Peter faz para levar consigo Snowleg - alcunha da rapariga alemã que ele não consegue pronunciar correctamente - e afastá-la daquele estado repressivo. O protagonista, num acto de cobardia, falha no momento decisivo, precisamente aquilo que acontecera com o seu pai muito tempo antes.

Magistralmente, o escritor narra a transformação profunda que, daí em diante, vai sofrer a personalidade de Peter, cujas questões morais, provocadas pelo acto que ele assume como um pecado, o vão perseguir de uma forma avassaladora e assaz inquietante.

Os anos vão passando, Peter vai (des)construíndo a sua vida de dedicação à medicina, mas o que poderá ter acontecido a Snowleg não lhe sai da memória.

A narrativa vai-se desenvolvendo como se de um puzzle se tratasse, as personagens que vão aparecendo e participando na vida do protagonista têm a espessura dramática suficiente para serem credíveis e são feitas de carne e osso, com expressão máxima nessa fantástica idosa que ele trata nos seus últimos dias de vida e que mais tarde descobriremos ser a avó da jovem de Leipzig.

Julgo ser irrelevante contar o que resta da história, assim como estar aqui a  discutir questões linguísticas a nível semântico, gramatical ou de síntaxe (embora elas sejam obviamente importantes). O que me interessa são essencialmente as preocupações morais que o romance levanta de forma profunda e obsessiva (e ao mesmo tempo, tão natural): que  consequências negativas pode trazer a outra pessoa um acto de cobardia, e qual a melhor forma de corrigir o facto de ela ter sido abandonada quando mais precisava dele?

A melhor forma não existe, mas Peter descobriu que a única possível é deixar de fingir que nada de importante aconteceu, parar de riprimir os seus sentimentos relativamente à jovem e decidir partir à sua procura, o que vai acontecer já depois da reunificação dos dois países.

Quase tudo no livro é assombroso, mas não quero terminar sem destacar a soberba narração a preto e branco da paranóia e do terror que a Stasi e o regime da RDA provocaram a tanta gente, da intencional opção do romancista por um registo lírico e intimista em vez de um tom épico mais facilmente apelativo, e, por fim, dois momentos sublimes: A ideia de culpa que não larga Peter, mesmo depois de ele saber que a fuga planeada para a companheira já era conhecida pela polícia secreta e que, caso se concretizasse, tornaria a vida de ambos muito pior. E, momento único e irrepetível de todo o livro (que só quem o leu irá compreender), a forma absolutamente inesperada e arrepiante - que ainda me espanta e impossibilita de falar - como nos é contado o reencontro final de Peter com Snowleg, depois de horas antes ele não a ter reconhecido, e que não posso deixar de transcrever as últimas linhas: «Ela estava a uns quatro, cinco passos de distância. Levantou a polaróide à altura do olho. Mas diante de Peter, o que começou a ganhar forma foi a fotógrafa e não a imagem. Uma escotilha ergueu-se lentamente e ele sentiu o ar fresco a entrar e a descer, ensopando-o, e toda a confusão, culpa, tristeza, solidão do seu passado e presente, a saírem. Snowleg. Mas ele não consegue falar. Não consegue mover-se. Vê-a caminhar na sua direcção. Ela pega-lhe no braço. - Peter.»

Nem um átomo a mais nem a menos. O limite de emotividade e o máximo de expressividade.

Porque são as histórias onde a procura da felicidade segue os caminhos mais esconsos e terríveis, as mais intensamente belas?

publicado por adignidadedadiferenca às 00:19 link do post
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO