a dignidade da diferença
26 de Julho de 2010

 

Como evitar, na literatura, os lugares-comuns? No delicioso Como Proust Pode Mudar a Sua Vida – publicado pela Dom Quixote e traduzido por Sónia Oliveira -, Alain de Botton dá-nos um magnífico exemplo. Obviamente que umas pitadas de génio ajudam e muito. Aqui fica o excerto, retirado do capítulo Como Exprimir as Emoções. Uma lição magistral:

 

«Em 1904, porém, Gabriel abandonou a vida nocturna para tentar fazer uma incursão pela literatura. O resultado foi um romance, O Amante e o Médico, cujo manuscrito Gabriel enviou a Proust mal o terminara, com um pedido de comentários e conselhos. (…) Aparentemente o livro estava repleto de lugares-comuns: “Existem algumas paisagens grandes e bonitas no teu romance”, explicou Proust, avançando delicadamente, “mas por vezes apeteceria que estivessem pintadas de uma forma mais original. É bem verdade que o céu está incendiado ao pôr-do-sol, mas isso já foi dito demasiadas vezes, e o brilho suave da Lua é uma maçadora trivialidade.” (…) O problema dos lugares-comuns não é que contenham ideias falsas, mas o facto de serem articulações superficiais de ideias muito boas. Os lugares-comuns são prejudiciais na medida em que nos fazem acreditar que descrevem adequadamente uma situação apesar de tocarem apenas a superfície. (…) A Lua que Gabriel mencionou teria com certeza um brilho suave, mas deveria ser muito mais que isso. Quando o primeiro volume do romance de Proust foi publicado (…) será que Gabriel (…) se deu ao trabalho de reparar que Proust inclui também uma lua, mas evitou dois mil anos de discursos prontos-a-usar sobre a Lua, criando uma metáfora invulgar para melhor captar a realidade da experiência lunar?

 

 

Por vezes no céu da tarde passava uma Lua branca como uma nuvem, furtiva, sem brilho, como uma actriz fora da sua hora de representar e que, da sala, com roupa de sair, observa por um instante os seus companheiros, encoberta, sem querer atrair as atenções para si mesma.»

 

publicado por adignidadedadiferenca às 01:37 link do post
23 de Maio de 2008

 

O homem sem qualidades - Robert Musil (Tradução e notas de João Barrento)

 

 

Já existia uma edição anterior, publicada pela «Livros do Brasil», mas era opinião quase generalizada de que a tradução não estava à altura do acontecimento, havendo mesmo quem sentenciasse que todos os que leram a referida obra poderiam considerar como não o tendo feito. Eu fui um desses leitores.

 

Surge agora nova edição da «Publicações Dom Quixote» que entregou a gigantesca tarefa ao Prof. João Barrento, e, face ao prestígio do tradutor (e também às primeiras considerações feitas sobre a tradução), parece que desta vez é que é.

 

Robert Musil, nas palavras de João Barrento surgidas na contracapa dos dois volumes, um dos nomes do «quarteto revolucionário» na prosa das primeiras décadas do século XX - Proust, Joyce, Kafka, Musil -,  é um autor sem biografia, como dirá Hermann Broch, seu contemporâneo e compatriota: «Nenhum de nós tem propriamente uma biografia: vivemos e escrevemos, e é tudo.» Musil legou-nos alguns dos mais significativos fragmentos de literatura do século, cujos traços mais salientes são a complexidade dos seus perfis anímicos e o rigor da observação, da análise e da reflexão - uma obra que se orienta pelos princípios, contidos na fórmula lapidar que ele próprio cunhou, da exactidão e da alma.

 

Acabei de comprar os dois volumes. Para mim, a aventura vai começar.

 

publicado por adignidadedadiferenca às 00:05 link do post
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO