a dignidade da diferença
22 de Agosto de 2008

 

Nada, de Carmen Laforet (1945)

 

 

 

Com os devidos e merecedores agradecimentos à autora deste blog – simples, mas muito belo -, que (me) revelou este magnífico livro que eu desconhecia, aproveito o pequeno espaço que me pertence para alinhavar meia dúzia de palavras e destacar devidamente o romance de estreia da escritora catalã Carmen Laforet (falecida em 2004), vencedor do Prémio Nadal.

 

 

 

 

Publicado em 1945, durante o franquismo, o livro impressiona sobretudo pela sua linguagem bastante acessível, mas particularmente incisiva, que retrata de forma exemplar e, simultaneamente, poética e cruel, um país esfomeado, sufocante, silencioso e desamparado, onde os sonhos, as esperanças, o orgulho, as desilusões e as transformações que um grupo de adolescentes vai sofrendo na passagem para a idade adulta nos emociona e cativa de forma inabalável, fazendo-nos, tantas vezes estremecer perante a exaltação e o gelo que a autora serve em tom obstinado e definitivo.

Um romance admirável, recentemente editado pela Cavalo de Ferro, com tradução - do castelhano - de Sofia Castro Rodrigues e Virgílio Tenreiro Viseu.

publicado por adignidadedadiferenca às 00:12 link do post
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO