a dignidade da diferença
17 de Agosto de 2014

«O que eu também defendo é que existe uma diferença entre o conhecimento de outros povos e de outros tempos que é produto do entendimento, da compaixão, do estudo cuidadoso e da análise séria, e, por outro lado, o conhecimento (…) que faz parte de uma abrangente campanha de auto-afirmação, beligerância e guerra directa. Existe, afinal de contas, uma profunda diferença entre a vontade compreender por razões de co-existência e de alargamento de horizontes humanísticos, e a vontade de dominar por razões de controlo e domínio externo. É com certeza uma das catástrofes intelectuais da história que uma guerra imperialista, confeccionada por um pequeno grupo de oficiais norte-americanos não-eleitos (…) tenha sido lançada contra uma ditadura do Terceiro Mundo (já devastada) por razões unicamente ideológicas, que se prendem com o domínio do mundo, o controlo da segurança e a escassez de reservas, mas cujas verdadeiras intenções foram mascaradas, apressadas e justificadas por orientalistas que traíram a sua vocação de eruditos.»

Edward W. Said, Orientalismo

 

 

Segundo o autor, o Orientalismo consiste genericamente num estilo de pensamento que distingue Ocidente e Oriente – diferença ontológica e epistemológica – como ponto de partida para produzir teorias políticas e sociais, romances ou epopeias a respeito do oriente, da sua gente, cultura, dos seus costumes, desígnios e mentalidade. Essa distinção foi aceite por uma assinalável quantidade de académicos, romancistas, filósofos, poetas, políticos, economistas ou administradores imperiais. Material e historicamente, para Edward Said, o Orientalismo pode significar ainda um estilo ocidental desenvolvido para dominar, reestruturar e exercer influência sobre o Oriente.

publicado por adignidadedadiferenca às 18:44 link do post
30 de Junho de 2013

 

 

A arquitetura como construir portas,

de abrir; ou como construir o aberto;

construir, não como ilhar e prender,

nem construir como fechar secretos;

construir portas abertas, em portas;

casas exclusivamente portas e teto.

O arquiteto: o que abre para o homem

(tudo se sanearia desde casas abertas)

portas por-onde, jamais portas-contra;

por onde, livres: ar luz razão certa.

 

Até que, tantos livres o amedrontando,

renegou dar a viver no claro e aberto.

Onde vãos de abrir, ele foi amurando

opacos de fechar; onde vidro, concreto;

até refechar o homem: na capela útero,

com confortos de matriz, outra vez feto.

João Cabral de Melo Neto, A educação pela pedra

Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO