a dignidade da diferença
10 de Junho de 2008

Agora que estão aí a chegar as eleições para as presidenciais americanas, só faria bem se algum dos candidatos dedicasse um pouco do seu tempo a ler a obra magistral de Walt Whitman, o poeta verdadeiramente apaixonado pela democracia.

Nascido em Long Island, em 1819, foi, sem qualquer dúvida, um dos mais originais e corajosos poetas de dimensão universal, possuidor de um sentido de grandeza e majestade, a par de um lirismo profundo, que lhe concederam uma vida com uma dimensão que muito poucos obtiveram.

 

Foi, além de notabilíssimo poeta, jornalista, tipógrafo e editor, conhecendo por dentro a guerra civil do seu país, impondo-se pela sua franqueza, frontalidade e radicalismo, sendo célebre o que dele próprio disse: não sou traduzível, nem fui domesticado!

Para a posteridade, deixou essa obra imensa, publicada em 1855 e que foi aumentando até morrer a 26 de Maio de 1889, a poesia de uma vida inteira «Leaves of grass» que no nosso país foi traduzida como «Folhas caídas» e se encontra editada pela Assírio & Alvim e pelo Círculo de Leitores.

A originalidade da sua escrita tinha os traços de uma linguagem coloquial que rompia com a tradição, possuindo  um aroma e uma sensibilidade desafiadoramente livre no verso escolhido.

Foi ele, inquestionavelmente o grande poeta da América, antes de tudo, pela sua profunda crença na liberdade. Como muitos já o disseram, tinha dentro de si todos os sonhos do mundo.

E, por fim, como português, não podia acabar sem referir a extrema admiração que o genial Fernando Pessoa, pela voz de Álvaro de Campos, sentia pelo poeta americano, bem expressa na magnífica «Saudação a Walt Whitman».

 

Celebro-me e canto-me,

E aquilo que assumo tu deves assumir,

Pois cada átomo que a mim pertence a ti pertence também.

 

Vagueio e convido a minha alma,

À vontade vagueio e inclino-me a observar a erva do Verão.

A minha língua, cada átomo do meu sangue, composto deste solo, deste ar,

Aqui nascido de pais aqui nascidos de outros pais aqui nascidos, e dos seus

            Pais também,

Eu, aos trinta e sete anos, de perfeita saúde começo,

Esperando que só a morte me faça parar.

 

Suspensos os credos e as escolas,

Retiro-me por certo tempo, deles saturado mas não esquecido,

Sou o porto do bem e do mal, e seja como for falo,

Natureza sem obstáculos com a sua energia original.

 

Excerto de «Canto de mim mesmo» traduzido por José Agostinho Baptista

 

Nunca posso ler os teus poemas a fio... Há ali sentir a mais...

Atravesso os teus versos como uma multidão aos encontrões

e cheira-me a suor, a óleos, a actividade humana e mecânica.

Nos teus poemas, a certa altura, não sei se leio ou se vivo,

Não sei se o meu lugar real é no mundo ou nos teus versos.

 

Excerto de «Saudação a Walt Whitman» de Álvaro de Campos

 

Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Walt Whitman

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO