a dignidade da diferença
22 de Março de 2012

Out of Tuva (1993), Sainkho

 


Equilíbrio quase sobrenatural entre tecnologia e tradição, Out of Tuva é o assombroso resultado do inesperado encontro ocorrido entre Hector Zazou e a sul-siberiana Sainkho Namtchylak, cuja voz vibrante e expressiva, que tanto sobrevive nas grutas como vagueia no deserto, sobressai do quadro musical pictoricamente enriquecido por elementos do folclore religioso e xamânico da república de Tuva – um chamamento politicamente indesejável, cujo efeito é semelhante ao produzido pelo cinema culturalmente pré-soviético do georgiano Sergei Paradjanov -, superiormente filtrado, explorado e orientado pela visão estética arrojada, global e futurista de Zazou, sem prejuízo (bem pelo contrário) da colaboração assaz relevante de Vincent Kenis e de Gilles Martin, do inesgotável compêndio instrumental do Trio-O ou da natureza popular sublinhada pelas contribuições orquestrais avulsas. Uma música admirável, estilizada e transgressora, numa época em que a world music se chegou à frente no domínio das conquistas estéticas, sujeita a um ritual musical contagiante e desafiante eternizado numa gravação única e irrepetível.

 

 

09 de Setembro de 2008

 

 

Só soube da notícia ontem à noite ao visitar este óptimo blog. Confesso que não sou muito dado a homenagens mesmo em cima do desaparecimento de alguém que (muito) admiro. Mas com Hector Zazou vou ser diferente.

Não vou falar da sua carreira e da sua importância como músico – outros o farão muito melhor do que eu. Apetece-me, sim, lembrar o magnífico espírito futurista de um esteta com uma visão muito particular do que deve ser uma verdadeira música sem fronteiras.

 

Crescentes e sedutoras aproximações tímbricas ao ambientalismo (não confundir com a new age, por favor), pequenas abstracções sonoras lançadas em voo picado sobre transparentes devaneios electrónicos e uma viagem inquieta e experimental em busca de um novo paradigma para uma música de contornos étnicos enriqueceram a sua obra, moldando-a numa caixa de música em miniatura, onde tanto se convoca o espírito em surdina de Miles Davis, como o conceito quarto-mundista de Jon Hassel, a qual, sob a direcção personalizada de Zazou, nos oferece uma mão-cheia de canções impressionistas e carregadas de partículas sonoras dos quatro cantos do mundo, onde frequentemente colaboram os universos pessoais de autores tão extraordinários como, entre outros, Bjork, John Cale, Manu Dibango, Varttina, Khaled, Barbara Gogan, Sakamoto, Sussan Deihim ou David Sylvian que acrescentam sempre algo de novo ao corpo musical de Zazou.

Não conheço a obra completa do compositor e produtor francês, mas na minha estante pessoal guardo sempre os óptimos Les nouvelles polyphonies corses e Songs from the cold seas. E, claro, num lugar mais protegido fica Sahara blue: a genial e absolutamente inesquecível evocação da vida e poesia de Arthur Rimbaud e um dos grandes álbuns do século XX. E não me esqueço que foi a sua imaginação que criou e produziu, a meias com Sainkho, uma das mais extraordinárias canções do álbum Out of tuva: a sublime Bai-laa Taigam.

Também não sou grande apreciador de despedidas, mas se as pessoas que lhe são mais chegadas vão certamente desejar paz à sua alma, eu só posso prometer que não vou deixar a sua música em sossego.

 

 

 

Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO