a dignidade da diferença
27 de Abril de 2014

 

brasileducom.blogspot.com

 

«Infelizmente, não tiveram uma magnanimidade comparável no momento da vitória americana na Guerra Fria. A reacção de muitas pessoas influentes perante a derrocada do império russo foi caracterizada pelo triunfalismo. Pareciam acreditar que o “mundo livre” tinha ganho e que era dever dos Russos aceitar as consequências e reorganizar a sua sociedade de acordo com um modelo mais aceitável. O facto de se tratar de um país orgulhoso com um historial ilustre que merecia simpatia e respeito num momento de necessidade não parece ter cruzado as mentes de algumas pessoas. Em vez disso, a Rússia foi tratada como um Klondike tardio, cheio de recursos naturais, mesmo a pedir uma corrida ao ouro. Claro que nem todos os russos perderam nesses anos caóticos. Fizeram-se fortunas e foram construídas bases de poder que irão provavelmente dominar a vida russa durante muitos anos. No entanto, para o russo comum, foram tempos de sofrimento e de humilhação nacional. A reacção de alguns americanos foi para além de uma mera celebração da vitória do “modo de vida americano” sobre os que seguiam uma filosofia rival. Para alguns (…) foi um triunfo dos “valores americanos” e da maneira americana de organizar a sociedade, triunfo esse que se impunha sobre todas as versões alternativas, do passado e do presente. Em 1992 (…) Francis Fukuyama criou uma expressão para designar o que tinha acontecido: “o fim da história”. Este conceito sedutor encorajou muitas pessoas a acreditarem que a combinação de organização capitalista e de instituições representativas que surgiu nos Estados Unidos nos 200 anos posteriores à Declaração de Independência era o objectivo natural da sociedade humana e a única coisa que faltava fazer era providenciar a sua instalação nas partes do mundo que ainda não tinham visto a luz. No seio do governo americano, um grupo de sonhadores entusiásticos fez planos para a chegada deste novo milénio. Esses sonhadores chamaram ao seu empreendimento “Projecto do Novo Século Americano”. Era um nome tão bizarro que nem se prestava a ironias.»

Cyril Aydon, The Story of Man – An Introduction to 150,000 Years of Human History

23 de Fevereiro de 2014

 

 

«Esta transformação na tecnologia da nossa vida de todos os dias foi acompanhada por uma transformação similar na tecnologia da guerra. Graças à industrialização, também a guerra se tornou mais desigual. Os países ricos têm actualmente armas de tal sofisticação e poder que podem semear a morte e a destruição nos países pobres em escala industrial, sofrendo eles próprios baixas e estragos negligenciáveis. (…) De momento, esses países estão livres da ameaça de guerras nas quais eles próprios possam ser sujeitos a grandes sofrimentos. No que lhes diz respeito, a guerra é apenas para exportação. E, apesar dos enormes arsenais de armas de destruição em massa que esses países mantêm prontas a atacar, os seus cidadãos dormem calmamente, sabendo que, por agora, a incineração e o desmembramento são destinos reservados aos habitantes de países que cometeram o pecado de ser pobres e fracos. É melhor convencermo-nos de que esta situação pode ser temporária. A presunção dos políticos de mentalidade imperial dos Estados Unidos faz lembrar os seus equivalentes britânicos de há 150 anos, antes de as realidades de um equilíbrio de poderes em transformação terem quebrado as ilusões que alimentavam sobre si próprios. Para os que estudaram a história do século XIX, não seria uma surpresa que a força e a autoconfiança crescentes da China, da Índia e da Rússia pusessem fim ao “novo século americano” em menos de cem anos. Se isso acontecer, o mundo regressará aos blocos rivais do final do século XIX. (…) As rivalidades de poder futuras não terão a ver com princípios políticos. Serão movidas pelas forças que sempre governaram esse tipo de rivalidades: competição por recursos naturais e por influência comercial, e, acima de tudo, medo – o mesmo medo primitivo dos “outros” que governou as relações humanas desde que os nossos antepassados se levantaram e olharam para a vasta savana.»

Cyril Aydon, The Story of Man – An Introduction to 150,000 Years of Human History

19 de Setembro de 2010

 

A Gradiva acaba de lançar dois belíssimos livros que nos ajudam a compreender melhor a origem do universo, assim como o caminho percorrido pelos nossos antepassados até hoje. Trata-se, primeiro, de Breve História da Humanidade, de Cyril Aydon, autor, entre outros, de Scientific Curiosities e de uma biografia de Charles Darwin. Neste livro, Cyril Aydon, além de partilhar o seu conhecimento sobre a forma como os nossos antepassados, nas suas mais diversificadas culturas, sobreviveram até ao nosso tempo, reflecte sobre o caminho que a humanidade deverá seguir para não se deixar vencer pelas alterações climáticas e as suas nefastas consequências.

 

 

O segundo exemplo, Big Bang, de Simon Singh, doutorado em física de partículas e autor de várias obras de divulgação matemática e científica, explica aos leitores de uma forma clara, rigorosa e fascinante - como deve ser um bom livro de divulgação científica – a origem do universo. Se continuamos sem saber para onde vai o universo, aprendemos, pelos menos, de onde veio. Ficamos com dois óptimos exemplos de divulgação histórica e científica junto do público em geral que configuram mais uma batalha contra a ignorância.

 

Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO