a dignidade da diferença
10 de Setembro de 2013

 

 

Satyajit Ray foi o cineasta indiano mais conhecido e admirado no ocidente (basta recordar que foi galardoado, por exemplo, pela Academia com um Óscar honorário em 1992) e tornou-se - a par do genial Guru Dutt (com quem, confesso, sinto mais afinidades), autor de Kaagaz Ke Phool (Flores de Papel, de 1959), esse excessivo e mágico melodrama, associado a um desenho perfeito do perfil psicológico das personagens, que é, ainda hoje, uma das obras-primas absolutas do cinema - um dos expoentes máximos da cinematografia indiana e, por acréscimo, do cinema mundial. Autor de uma obra com profundas raízes realistas, caracterizada por uma forte componente social, como é o caso, por exemplo, da famosa Trilogia de Apu (O Lamento da Vereda, O Invencível e O Mundo de Apu), a qual chegou ao mercado nacional há uns anos numa edição da Costa do Castelo em DVD, Satyajit Ray atingiu com Charulata, realizado em 1964, o seu cume estético, uma dimensão superior que se afasta do anterior realismo social e exibe um assombroso retrato feminino assente na personagem de Charu. A protagonista, pertencente à burguesia indiana dos finais do século XIX, amada mas negligenciada pelo marido, que vive ocupado com o jornal que dirige, desenvolve uma paixão inesperada pelo primo, com quem partilha o gosto pela literatura e o seu talento notável para a escrita, tornando-se uma espécie de paradigma da mulher moderna. Neste filme (e não só), Ray criou e desenvolveu um estilo minucioso, depurado e minimalista, com uma noção do tempo e do espaço bem assimilada, dotado de uma admirável invenção plástica e dramática que amplia de modo assinalável o seu microcosmos vivencial e afetivo. Uma obra magnífica que resistiu bem à passagem do tempo.

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 23:34 link do post
05 de Dezembro de 2012

 

 

A designação BRICS surge em 2001, cuja autoria coube ao economista inglês Jim O’Neill, para indicar quatro países com economias emergentes: a China, o Brasil, a Índia e a Rússia. Mais tarde, é incluída também a África do Sul. No respetivo relatório, o analista previu que nos próximos cinquenta anos aqueles países ocuparão o lugar cimeiro no ranking das maiores economias mundiais. Contudo, não estamos perante um bloco económico como, por exemplo, a NAFTA ou o Mercosul, ou político-económico como a União Europeia. Trata-se de um conceito associado aos grandes mercados emergentes que não define o modelo económico ou a situação política e social dos países que o integram. O BRICS não corresponde à imagem de um bloco coeso na medida em que não existe no seu seio um conjunto homogéneo de políticas comerciais, financeiras ou de investimento. Cada um dos países que o compõem não procura criar políticas comuns com os seus parceiros emergentes, na medida em que as políticas nacionais por si adotadas não são propriamente desejadas pelos restantes Estados. O conceito que está por trás da designação BRICS relaciona-se com os grandes mercados emergentes e nada nos diz sobre o modelo económico adotado pelos países que fazem parte do grupo, nem sequer sobre a situação política e social de cada um deles. Passemos a analisá-los melhor um a um.

 

 

Típica criação colonial, com uma lenta constituição de uma economia bem-sucedida, o Brasil teve um Estado unificado antes de ter uma economia integrada. Cativo de regimes semi-capitalistas anos a fio, o país transformou-se quando libertou as suas energias criadoras fruto da abertura económica e da liberalização comercial. Goza atualmente uma paz regional e tem um bom posicionamento geopolítico capaz de lhe trazer vantagens a nível regional como internacional. O seu mercado oferece, segundo os especialistas, boas oportunidades de investimento. A sua economia, porém, também sofre de alguma vulnerabilidade pois o tão elogiado crescimento económico parece abrandar e a inflação permanece ainda elevada. É indiscutível que o Brasil tem pela frente a oportunidade de aproveitar a vantagem demográfica no que diz respeito à relação entre a população ativa e a componente económica. Mas teme-se justificadamente que esta seja uma oportunidade perdida devido sobretudo à baixa qualificação técnica e educacional da sua população, o que condiciona certamente os ganhos de produtividade. A Rússia, amputada de territórios, de recursos naturais e humanos significativos, não parece capaz de recuperar a posição estratégica e política que já deteve e cuja expansão geopolítica atingiu o seu cume no final dos anos 70. Afundada no caos destruidor da sua economia socialista e dominada pela força carismática dos seus líderes de então, eficientes na organização partidária mas incapazes de perceber o modo de funcionamento de uma moderna economia de mercado, a Rússia teve uma transição para o capitalismo bastante errática. Embora possuindo grande arsenal nuclear e tendo uma capacidade militar não negligenciável, não está em condições de desafiar os gigantes da economia mundial, pois depende demasiado de recursos finitos e a sua demografia está em declínio. Conseguindo romper com a economia planificada e com o protecionismo estatal exagerado, a Índia domina com muita competência os serviços eletrónicos que oferece de forma assaz competitiva, mas continua com graves problemas para resolver. Como conseguirá, no futuro, absorver, na economia de mercado, milhões de camponeses que ainda permanecem numa economia de base ancestral? Conhecida pela diversidade de culturas, idiomas e crenças religiosas, e libertando-se finalmente de décadas vividas num sistema de apartheid, i.e., de deplorável segregação social, a África do Sul ainda não é reconhecida por muitos investidores como fazendo parte dos países integrados no BRICS. Mas apresenta um enorme potencial, na medida em que a sua economia está em pleno desenvolvimento, contrastando com o abrandamento das maiores economias do mundo. Em bom rigor, a China parece ser, dos países que compõem o BRICS, o único com capacidade real para ocupar uma posição dominante no plano económico e político à escala mundial. Demonstrou uma enorme ambição em recuperar rapidamente as décadas perdidas de socialismo doentio, adaptando-se com celeridade assinalável aos fundamentos das modernas economias de mercado, fruto da aprendizagem obtida junto dos líderes científicos e tecnológicos do capitalismo mais avançado, copiando e moldando o know-how ocidental através do fabrico dos mesmos produtos que se distinguem apenas pelos desenhos e marcas próprias. Lamenta-se, contudo, que ainda os seus cidadãos ainda estejam muito longe de igualar os níveis de bem-estar individual das populações ocidentais das países capitalistas mais desenvolvidos, dada a circunstância daqueles estarem sob o jugo e a alçada de um regime autoritário que só liberalizou a economia e esqueceu-se do resto.

 

 

Quanto à posição económica e à estratégia geopolítica, estima-se que a economia do grupo representará num futuro relativamente próximo 1/5 da economia mundial. Os países que compõem o BRICS não estão dispostos a representar o papel de meros espectadores nas grandes decisões mundiais. A sua intenção é ter uma intervenção mais direta na constituição de uma nova arquitetura e de regras internacionais em matéria financeira que proporcionem a formação de uma nova ordem mundial mais democrática. Contam não só com a dimensão do território e da população, mas também com o crescimento das suas economias e com a capacidade militar e energética que os colocam numa posição privilegiada entre os interlocutores mais importantes a nível internacional, dando-lhes ainda capacidade para moldar o futuro de outros países em desenvolvimento. Porém, as relações políticas e económicas internacionais assentam sobretudo na troca e produção de ideias e conceitos sobre a forma de organização político-económica do mundo contemporâneo. E, nesse sentido, não obstante o crescimento económico dos países que compõem o BRICS, mantém-se o domínio intelectual do mundo ocidental desenvolvido. O BRICS não se distingue por seguir um rumo económico autónomo e nem sequer funciona como um bloco coeso, na medida em que não possuem um conjunto homogéneo de políticas no plano económico, financeiro e de investimento. Sendo verdade que o BRICS representa um fator positivo no domínio da economia mundial, ainda é muito cedo para defender que, àquela escala, o sejam igualmente no plano da geopolítica, sobretudo por que ainda está por demonstrar que tenham tomado ações decisivas para tornar as suas governações mais democráticas e respeitadoras da dignidade humana e dos princípios e valores fundadores de um mundo evoluído e civilizado. Se deste estudo resulta que será provavelmente a China o único dos países que compõem o BRICS a reunir as condições necessárias para, futuramente, ocupar uma posição de liderança geoestratégica nos planos político e económico, ainda assim, não deixa de ser perturbador verificar que o oriente (do qual também faz parte outro dos países emergentes, i.e., a Índia) não hesita em trocar a identidade pela liderança, abdicando da sua tradicional visão espiritual da vida e da sua perceção transcendente da história em prol de uma visão que olha para o mundo contemporâneo não como uma humanidade comum, mas apenas como um único mercado.

Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO