a dignidade da diferença
30 de Julho de 2014

 

 

Para o escritor russo Vladimir Nabokov, o exílio forçado pela Revolução Bolchevique de Outubro de 1917 nunca significou um ajuste de contas com o regime comunista, o passado e os acontecimentos que a ele se encontram ligados. Como bem o demonstra este pequeno excerto de Fala, Memória (Speak, Memory, na língua original), a magnífica autobiografia revisitada: «Esta passagem não é dirigida ao leitor vulgar, mas ao idiota muito especial que me compreende, julga ele, por ter perdido a fortuna num desastre. O meu velho desentendimento com a ditadura soviética (desde 1917) nada tem que ver com problemas de propriedade. Sinto o maior desrespeito pelo émigré que “odeia os vermelhos” porque lhe “roubaram” dinheiro e terras. A nostalgia que tenho alimentado todos estes anos é sensação hipertrofiada de uma infância perdida, sem nada de lamento pelas contas bancárias que perdi.»

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
19
21
22
24
26
27
28
29
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO