a dignidade da diferença
26 de Fevereiro de 2009

 

 

Van Morrison tocou  integralmente, ao vivo, o excepcional «Astral Weeks», obra máxima do seu autor - a par de «Veedon Fleece» - e um dos registos mais impressionantes do que pode ser a música, quando tocada num regime de absoluta liberdade poética e formal, fruto do génio visionário do um músico verdadeiramente transcendente. É quase impossível imaginar como é que quatro músicos, que nunca tocaram juntos anteriormente, conseguiram criar naquelas míticas sessões de 1968 uma música simultaneamente lírica, alucinante e estratosférica, que só pode ter nascido num daqueles momentos únicos de telepática empatia entre os seus intérpretes.

Folk, jazz e poesia em voo livre e improvisado num dos melhores álbuns de sempre, seja qual for o género musical.

Enquanto esperam pelo DVD, comprem o disco (ao vivo ou o original, caso ainda o não possuam).

 

Sweet thing

 

publicado por adignidadedadiferenca às 23:35 link do post
Um senhor e peras!!!
An cristina leonardo a 27 de Fevereiro de 2009 às 13:12
Um músico ideal para que gosta tanto dos clássicos...

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
18
20
21
23
24
25
27
28
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO