a dignidade da diferença
07 de Agosto de 2011

 

 

Nascido em Nova Iorque, em 1947, Murray Perahia é um pianista e maestro mundialmente reconhecido. Estudou no Mannes College, de Nova Iorque, e viu a sua carreira lançada quando venceu o Concurso Internacional de Piano de Leeds, em 1972. Perahia tocou acompanhado por grandes orquestras e ganhou inúmeros prémios durante a sua longa carreira. Mas, na verdade, não é bem isso o que nos interessa. Dono de uma técnica irrepreensível, o pianista domina o instrumento como poucos. Contudo, desprezando as efusivas e inócuas manifestações de virtuosismo, prefere imprimir ao seu instrumento de eleição uma dinâmica, uma agilidade e uma respiração profundamente originais e colocadas apenas ao serviço da música.

 

 

Notável intérprete de Mozart - cuja obra dirigiu, muitas vezes, directamente do piano -, é, porém, com Songs Without Words (no qual interpreta Bach/Busoni, Mendelssohn e Schubert/Liszt), de 1999, e Goldberg Variationen (de Bach), de 2000, que o talento de Murray Perahia atinge a sua máxima expressividade. Percorrendo todas as notas até lhes explorar magnificamente o silêncio, Perahia assina duas obras admiráveis, cujas peças são idealizadas com uma concisão, uma diversidade e uma descrição ímpares; o caso não é para menos: o pianista norte-americano transcreve, improvisa e canta passagens melódicas de um lirismo e de uma fragilidade absolutamente comoventes.

 

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
17
18
19
20
22
23
25
26
27
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO