a dignidade da diferença
11 de Setembro de 2010

 

 

O republicano Tomás da Fonseca defende que as aparições de Fátima foram um embuste onde a Igreja mais do que testemunha é acusada de cumplicidade e empenho activo. O autor apoia-se em documentos da época para validar a sua tese a que procura dar um cunho científico, comparando as aparições da Cova de Iria com outras anteriores. Tomás da Fonseca, polémico e anticlerical, denuncia e responsabiliza altos dignitários da Igreja pelo logro, o qual resulta, segundo o próprio, do cínico aproveitamento ideológico e religioso para moldar o pensamento dos incautos.

A audácia e a notável liberdade de raciocínio, o carácter provocatório da escrita e o espírito subversivo do escritor contribuíram, a meu ver injustamente, para o esquecimento desta obra singular e merecedora de muito mais atenção. Pela minha parte, luto contra a perda de memória. A Antígona, muito antes, pensou o mesmo e reeditou recentemente «Na Cova dos Leões», com prefácio do historiador Luís Reis Torgal. A foto que junto refere-se, contudo, à capa da edição de 1958 por ser esta a que possuo. Termino por recomendar, a propósito, a obra «Fátima Nunca Existiu» do Padre Mário de Oliveira, um homem de fé cristã católica.

 

Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
17
18
20
21
22
24
25
27
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO