a dignidade da diferença
23 de Maio de 2008

 

O homem sem qualidades - Robert Musil (Tradução e notas de João Barrento)

 

 

Já existia uma edição anterior, publicada pela «Livros do Brasil», mas era opinião quase generalizada de que a tradução não estava à altura do acontecimento, havendo mesmo quem sentenciasse que todos os que leram a referida obra poderiam considerar como não o tendo feito. Eu fui um desses leitores.

 

Surge agora nova edição da «Publicações Dom Quixote» que entregou a gigantesca tarefa ao Prof. João Barrento, e, face ao prestígio do tradutor (e também às primeiras considerações feitas sobre a tradução), parece que desta vez é que é.

 

Robert Musil, nas palavras de João Barrento surgidas na contracapa dos dois volumes, um dos nomes do «quarteto revolucionário» na prosa das primeiras décadas do século XX - Proust, Joyce, Kafka, Musil -,  é um autor sem biografia, como dirá Hermann Broch, seu contemporâneo e compatriota: «Nenhum de nós tem propriamente uma biografia: vivemos e escrevemos, e é tudo.» Musil legou-nos alguns dos mais significativos fragmentos de literatura do século, cujos traços mais salientes são a complexidade dos seus perfis anímicos e o rigor da observação, da análise e da reflexão - uma obra que se orienta pelos princípios, contidos na fórmula lapidar que ele próprio cunhou, da exactidão e da alma.

 

Acabei de comprar os dois volumes. Para mim, a aventura vai começar.

 

publicado por adignidadedadiferenca às 00:05 link do post
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
20
26
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Que bom é procurar sempre. ...
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
blogs SAPO