a dignidade da diferença
01 de Janeiro de 2015

E, por fim, aqui fica registada a escolha dos álbuns mais relevantes de 2014 em função dos seus traços de personalidade que escapam ao modelo copista que infecta a quase totalidade da produção universal. Contudo, esta lista poderia ser substituída sem significativa desvalorização patrimonial pelas mais recentes publicações de Clifford Brown, Anna Calvi, Capicua, Pablo Heras-Casado, Leonidas Kavakos & Yuja Wang, Hamilton Leithauser, Paco de Lucia, The Phantom Band, Real Combo Lisbonense, Marc Ribot Trio, Tune Yards ou Suzanne Vega. E ainda conseguiria acrescentar um ou dois que ficarão, no entanto, injustamente esquecidos.

 

ambrose akinmusire.png

Ambrose Akinmusire

 

tony allen.jpg

Tony Allen

 

cecilia bartoli otello rossini.jpg

Cecilia Bartoli, Muhai Tang

 

 

the delines.jpg

The Delines

 

bob dylan the band.jpg

Bob Dylan and The Band

 

fka twigs.jpg

FKA twigs

 

jerusalem quartet.jpg

Jerusalem Quartet

 

amélia nos versos de amália.png

Amélia Muge

 

ricardo rocha.png

Ricardo Rocha

 

st. vincent.jpg

St. Vincent

 

tre voci.png

Tre Voci

 

mark turner quartet.jpg

Mark Turner Quartet

publicado por adignidadedadiferenca às 12:07 link do post
03 de Janeiro de 2013

E a escolha termina finalmente aqui. Recolhi novidades, reedições - apenas as primeiras e não as sucessivas, o que explica, por exemplo, a ausência da obra reeditada de José Afonso e, sobretudo, dos extraordinários Cantigas do Maio e Venham Mais Cinco – e edições de arquivo; a arca do tesouro trouxe, neste último caso, gravações inéditas de Wes Montgomery e de Bill Evans. Deixei de fora Loveless, dos My Bloody Valentine, que, contudo, podia figurar no lugar de Isn't Anything. Sublinhe-se ainda que, noutro dia e em condições diferentes, entrariam facilmente na lista dos eleitos os mais recentes trabalhos de Andrew Bird, Leonard Cohen, Neneh Cherry, dos Músicos do Tejo (com a interpretação notável da ópera La Spinalba), Dirty Projectors, ou os seminais A Um Deus Desconhecido e Sexto Sentido da Sétima Legião (e a restante obra, embora não impressione tanto, não merece ser menosprezada); desta vez, injustificadamente, ficaram de fora. Ouçam-nos na mesma.

 

  

  

 

 

 

 

 

 

 

 

02 de Janeiro de 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 18:28 link do post
01 de Janeiro de 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 23:33 link do post
31 de Dezembro de 2011

 

Foi um ano bom para a música portuguesa. É certo que não tivemos direito a ofertas de valor absolutamente extraordinário, não houve música que rompesse com os critérios previamente definidos, inventando novas coordenadas ou fronteiras estéticas. Mas houve uma muito razoável diversidade sonora e louváveis e afirmativas demonstrações de personalidade e maturidade musical, com especial destaque para o magnífico regresso dos Dead Combo, com o waitsiano Lisboa Mulata, a inesperada gravação dos fados e das canções de Fernando Alvim - na medida em que nos habituámos a ver nele apenas a sombra de Carlos Paredes -, o esqueleto sonoro do depurado e essencial Animal (Osso Vaidoso), o ágil e sedutor clacissismo de Cristina Branco ou para a surpreendente e singular visão reichiana vinda do interior do país pela mão dos Campanula Herminii. Desilusões? Talvez duas, porque totalmente inesperadas: as mais recentes gravações de B Fachada e de Sérgio Godinho. Aqui fica então a nossa lista dos prováveis dez melhores (que podia perfeitamente incluir mais dois ou três discos sem perda assinalável de qualidade - estamo-nos a lembrar, por exemplo, do último trabalho de César Prata).

 

Aquaparque, Pintura Moderna

 

 Campanula Herminii, Cumeada

 

Carlos Bica & Azul, Things About

 

Ciclorama, A Presença das Formigas

 

Cristina Branco, Não Há Só Tangos em Paris

 

Dead Combo, Lisboa Mulata

 

Fernando Alvim, Fados & Canções do Alvim

 

Kubik, Psicotic Jazz Hall

 

Os Lacraus, Os Lacraus Encaram o Lobo

 

Osso Vaidoso, Animal

 

06 de Novembro de 2011

Carlos Paredes: Verdes Anos

 

 

Na sua exigente demonstração de virtuosismo ao serviço da substância musical, Carlos Paredes identificou, na profundidade das cordas de aço da sua guitarra portuguesa, o dramatismo, a distância e a alma do nosso pequeno país. As variações, dedilhadas num diálogo portentoso com o cúmplice Fernando Alvim – autor surpreendente do recente e notável Os Fados e as Canções do Alvim -, revelam os magníficos desenhos melódicos perfeitamente encaixados nas densas e originais estruturas harmónicas. Deixamos aqui este Verdes Anos, peça fundamental que integra o arco de preciosas improvisações que dão corpo ao sublime Guitarra Portuguesa, cujas gravações datam de 1967. Raros tiveram esta capacidade transcendente para deslocar musicalmente o eixo de Portugal e colocá-lo, por uma vez, bem no centro do universo.

 

 

01 de Janeiro de 2011

 

2010 foi um óptimo ano para a música portuguesa. Não houve rupturas assinaláveis das regras anteriormente estabelecidas, mas aconteceram muitas coisas formidáveis: coordenadas desencontradas, pontos de vista singulares, estruturas musicais desalinhadas, isto é, uma série notável de novos segmentos que conduziram a música num sentido estético convergente: mais importante que o género é a marca de autor, o traço de personalidade. Pela primeira vez, em muitos anos, foi difícil encontrar um top 10. E ainda ficaram de fora belos nacos de poesia sonora como foi o caso de What Is All About dos Johnwaynes, V de Tiago Guillul, Equilíbrio dos Balla, Madrugada dos peixe:avião, ou Utopia dos Expensive Soul. Da lista, destaque sobretudo para os regressos de Pedro Burmester e dos Pop Dell'Arte.

 

 

AbztraQt Sir Q, Extimolotion

  

 

B Fachada, É Pra Meninos

 

 

Pedro Burmester, Schubert/Schumann

 

 

Camané, Do Amor e Dos Dias

 

 

Galandum Galundaina, Senhor Galandum

 

 

Mário Laginha Trio, Mongrel

 

 

München, Chaquiego

 

 

Lula Pena, Troubadour

 

 

Pop Dell'Arte, Contra Mundum

 

 

Zelig, Joyce Alive!

19 de Dezembro de 2010

 

 

Esta é uma excepção aos bem-educados e habitualmente infantilizados discos para crianças (talvez fosse melhor arrumá-los na gaveta das coisas para bebés). De B Fachada não seria, aliás, de esperar outra coisa. Escreve textos criativos não necessariamente apontados aos miúdos e apoia-se em agridoces melodias viradas do avesso por instrumentos de brincar (xilofones, pianinhos e baterias de plástico), nos quais aqueles se encaixam como peças do lego. Dessas canções nasceu um magnífico manual de desobediência. B Fachada é pra meninos? Também, mas desperta a curiosidade dos pais…

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 18:58 link do post
26 de Agosto de 2010

 

 

Reunidos numa banda só (GNR): acuidade melódica, espírito transgressor, poesia sónica, fonética moderna com que lidamos todos os dias, instinto e concisão pop, e o melhor e mais arrojado escritor de canções que este país viu nascer na segunda metade do século vinte (Rui Reininho). Piloto Automático, de Defeitos Especiais, é um magnífico exemplo.

 

 

Piloto Automático

 

Quando soa a meia noite

Começo a capotar

Há um monstro dentro de mim

Que eu procuro envenenar

 

Rezo a Baco uma oração

Sinto o fígado a explodir

Em cada gole uma opção

Um desejo de virar

 

Com: whisky puro

Sangria

Vinho maduro

Xerês d'Andaluzia       vodka vodka

Bagaceira

Ginvómito

Seco madeira

 

Ligo o piloto automático

No programa esquecer

Dissolvido num luar

Até ao amanhecer

 

publicado por adignidadedadiferenca às 23:44 link do post
21 de Agosto de 2010

 

 

O quinteto Zelig, que agora publica este óptimo «Joyce Alive!», formou-se no final de 2006 quando se juntaram a Peixe (guitarra e ocasionais arranjos de sopros) e a Eduardo Silva (contrabaixo) Nico Tricot (flauta, teclado, sampler, serrote e percussão), António Serginho (marimba, vibrafone e diversas percussões) e José Marrucho (bateria).

Absorvendo o espírito e a visão estética de cada um dos seus membros, o quinteto criou uma estrutura sonora singular, ziguezagueante que aponta em diversas direcções musicais e, tal como o personagem criado por Woody Allen, muda de pele consoante a atmosfera que a envolve.

Uma obra de fôlego assente em pedaços de jazz, sonhos de surf rock, fitas magnéticas de Carl Stalling, pincelada aqui e ali pelos Naked City mais agrestes e convergindo, por vezes, para uma espécie de Flat Earth Society em momento de descontracção após intensos discursos de agitação sonora, espreguiçando-se nos devaneios cinematográficos de Morricone e John Barry.

A música portuguesa – que, este ano, já nos trouxe o regresso do romantismo quixotesco dos Pop Dell’ Arte, o segundo disco dos AbztraQt Sir Q, o belíssimo e tradicional trabalho dos Galandum Galundaina, a visão solitária de Lula Pena e o delicioso «V» de Tiago Guillul, entre outros trabalhos menos relevantes mas francamente interessantes – passa por um momento bom.

 

Zelig ao vivo no Cinema Passos Manuel

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 14:50 link do post
23 de Julho de 2010

 

Eis um óptimo exemplo de música portuguesa personalizada e sem fronteiras, libertária e contra-corrente, inequivocamente inspirada nos Pop Dell’ Arte e nos Mler Ife Dada. O resto é trabalho de autor na confecção de uma pop de feição experimental, alimentada por improváveis e saltitantes arritmias sonoras, secura e rugosidade q.b., magnificamente encenada e pronta a ser lançada como arma de combate.

Depois da estreia em 2008 com Qorn Pop Garden, os AbztraQt Sir Q confirmam, com o novíssimo Extimolotion, um dos percursos mais entusiasmantes e singulares da música portuguesa contemporânea, assente numa necessidade elementar de fuga ao óbvio, num apurado sentido estético, prazer e fé ilimitada no poder da música. 

 

 Que bien ganado

publicado por adignidadedadiferenca às 04:01 link do post
19 de Agosto de 2009

 

José Afonso, Cantigas do Maio (1971)

 

 

O disco que, a par dos extraordinários Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades de José Mário Branco e Os Sobreviventes de Sérgio Godinho, deixou para trás, definitivamente, as «baladas choradeiras» e trouxe a modernidade para o coração da música popular portuguesa.

É nesta gravação fundamental que José Afonso introduz o surrealismo no seu reportório poético-musical (com um poema de António Quadros e outro da sua autoria) e que une, de um modo inovador e plenamente conseguido, a balada tradicional às sonoridades urbanas, contando, para o efeito, com a preciosíssima ajuda de José Mário Branco.

Já tudo se sabe e tudo se disse sobre este clássico absoluto da música portuguesa,  reservando-se a maior fatia de louvores para os prodigiosos arranjos/orquestrações de José Mário Branco que são o fruto natural da sua inesgotável riqueza de ideias para, através do uso minucioso da instrumentação, atingir a máxima expressividade artística em cada canção.

Se todo o álbum é magnífico, existem, pelo menos, duas canções onde o talento intuitivo e melódico de José Afonso e a ousadia arquitectónica de José Mário Branco raiam o sublime: Maio Maduro Maio, que combina na perfeição beleza e lirismo poético com uma notável modernidade musical, sublinhada pelo som do trompete em surdina, e a assombrosa Coro da Primavera, com um notável trabalho de percussão que dramatiza com uma profundidade quase insustentável a estrutura musical e o canto da canção.

Uma das raríssimas obras-primas da música portuguesa, da autoria de um músico que continuou a criar, durante os anos 70, uma obra de grande fulgor claramente acima da média nacional, cujos parâmetros de qualidade musical e ousadia estética só foram acompanhados - enquanto esperávamos pelo espírito aventureiro da música pop dos anos 80 - pelas gravações de Sérgio Godinho, José Mário Branco, Banda do Casaco e muito poucos mais.

 

publicado por adignidadedadiferenca às 20:37 link do post
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO