a dignidade da diferença
02 de Janeiro de 2011

 

A lista neste caso é francamente mais curta e pouco há para dizer, a não ser que tivemos, finalmente, a há muito aguardada edição de mítico Chega de Saudade, de João Gilberto, assim como da obra completa do portuguesíssimo Grupo de Acção Cultural, destacando-se nela o magnífico Pois Canté!. Mas a reedição do ano é o fabuloso Crazy Rhythms, dos Feelies, disco genial, trepidante e arrebatador, que se cola como poucos ao ouvido. Bitches Brew, de Miles Davis, foi acrescentado muito depois da hora. Mas podia ser, obviamente, a reedição do ano.

 

 

Miles Davis, Bitches Brew

 

 

The Feelies, Crazy Rhythms

  

 

Matthew Friedberger, Winter Woman/Holy Ghost Language School

 

 

GAC - Vozes na Luta, Pois Canté!!

 

 

João Gilberto, Chega de Saudade

 

 

Irakere, Cuba Libre

 

 

John Lennon, Plastic Ono Band

 

 

Vários, Panama!3

29 de Março de 2010

 

Eis o que só podemos classificar como uma óptima notícia: o regresso, finalmente, em CD e numa versão aumentada, do clássico da bossa-nova Chega de Saudade, assinado por um dos seus ilustres fundadores (o fundador?): João Gilberto.

Voltamos, assim, a ter disponível à nossa mão o canto minimalista e a inigualável batida de violão que marcaram definitivamente o estilo da bossa nova. João Gilberto, num gesto supremo, inventou para a eternidade uma colecção de clássicos absolutos assente na paixão por Chet Baker, na sua frágil transparência vocal e no permanente receio em quebrar o silêncio.

O músico brasileiro deixou-nos, deste modo, um magnífico exercício estético, suavemente acompanhado por belíssimos arranjos orquestrais que conjugam na perfeição um novo verbo musical, paradigma de uma requintada revolução.

 

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 00:17 link do post
06 de Agosto de 2009

 

 

O jornal Público iniciou há cerca de quatro semanas mais uma nova colecção sobre música, vendida com a edição de sábado – mas que pode ser adquirida separadamente por  apenas € 6,90 -, dedicada à bossa nova.

O conjunto de 12 volumes dedicados a esse magnífico movimento estético com raízes brasileiras e uma visão musical que atravessa – e de que maneira! – as suas fronteiras, tem uma apresentação bastante cuidada do género livro + CD (com a nostálgica mas agradável imitição do vinil), que, aliás, tem sido o (bom) hábito da casa.

Se a colecção deve ser, naturalmente, aconselhada pela prova de «bom gosto» demonstrada e pela qualidade global das gravações – eu próprio não dispensarei a aquisição dos números dedicados aos meus autores preferidos -, merece, contudo, um bem significativo reparo.

Sim, é verdade que estão lá os grandes nomes do movimento: Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Carlos Lyra, Nara Leão, Marcos Valle ou Baden Powell; mas alguém me consegue explicar como é que se foram esquecer do genial João Gilberto, fundador e criador essencial da gramática que deu o sentido à bossa nova?

 

publicado por adignidadedadiferenca às 20:39 link do post
07 de Julho de 2008

 

Se, para mim, o tropicalismo foi a mais importante revolução musical nascida no Brasil e a que, ainda hoje, mais influência exerce sobre a musica popular contemporânea do resto do planeta, é inegável que naquele país sul-americano, outra (e anterior) revolução musical existiu. Foi (quem ousa contestar?) a primeira vez que a música brasileira atingiu a modernidade - um novo som (ou batida) tirado do violão de braço dado com o jazz e uma voz minimalista que relata as cenas do quotidiano (de que é exemplo paradigmático o «fotografei você com a minha Roleflex» de «Girl from Ipanema» -, graças, sobretudo, ao contributo e ao génio musical de João Gilberto e de Tom Jobim, às letras de Vinicius de Moraes e, em menor escala, ao talento de Nara Leão, de Marcos Valle e de Carlos Lyra, com o testemunho essencial de Astrud Gilberto, de Stan Getz e, um pouco mais tarde, de Frank Sinatra. Agora que a bossa nova fez 50 anos, deixo aqui a minha sincera homenagem ao movimento com excertos da gravação (que, segundo reza a história, passou por momentos de verdadeira tensão) do meu álbum preferido daquele período ímpar: Getz/Gilberto de 1963, com a participação, além do saxofone de Stan Getz e do violão e voz de João Gilberto - os dois que deram o nome ao disco -, da voz de Astrud Gilberto e do piano de Tom Jobim. No século XX, não se fizeram muitos discos assim.

 

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO