a dignidade da diferença
31 de Dezembro de 2016

David Bowie e Leonard Cohen ofereceram-nos duas magníficas despedidas. Blackstar é o melhor trabalho de Bowie desde 1.Outside (1995) e Cohen não gravava nada tão bom desde o sublime Songs of Love and Hate (1971). Mas a terceira idade não ficou por aqui: também Paul Simon deixou a sua marca este ano com o extraordinário e ousado Stranger to Stranger e Iggy Pop com o inesperadamente óptimo Post Pop Depression. Se adiantarmos que PJ Harvey (autora do fabuloso The Hope Six Demolition Project) e os Tindersticks (que exploraram novos caminhos, ampliando a sua paleta sonora em The Waiting Room) já andam nestas andanças há três décadas, será caso para afirmar que em 2017 impôs-se a veterania. Numa lista tão curta ficou de fora algo injustamente o regresso de Shirley Collins, após um longuíssimo interregno, bem como as óptimas gravações de Charlie Hilton, Christy Moore, Fred Hersch e Gisela João, o prodígio de improvisação do último álbum do saxofonista Henry Threadgill, a voz extraordinária de Anna Netrebko (oiçam-na em Verismo), La Mascarade, de Rolf Lislevand, e ainda as clássicas interpretações de Harnoncourt (quarta e quinta sinfonias de Beethoven) e Daniil Trifonov.

 

PJ-Harvey-The-Hope-Six-Demolition-Project.jpeg

PJ Harvey, "The Hope Six Demolition Project"

 

michael formanek ensemble kolossus.jpg

Michael Formanek/Ensemble Kolossus, "The Distance"

 

badbadnotgoodiv.jpg

BADBADNOTGOOD IV 

 

ensemble céladon.jpg

Ensemble Céladon/Paulin Bündgen, "The Love Songs of Jehan de Lescurel"

 

paul simon.jpg

Paul Simon, "Stranger to Stranger"

 

william s burroughs.jpg

William S. Burroughs, "Let Me Hang You"

 

alisa weilerstein shostakovich.jpg

Alisa Weilerstein/Pablo Heras-Casado, "Shostakovich: Cello Concertos 1, 2"

 

anna meredith.jpg

Anna Meredith, "Varmints"

 

tindersticks.jpg

Tindersticks, "The Waiting Room"

 

sampladélicos.jpg

Sampladélicos, "Não Nos Dexeis Cair em Tradição"

 

mark dresser seven.jpg

Mark Dresser Seven, "Sedimental You"

 

lucia cadotsch.jpg

Lucia Cadotsch, "Speak Low"

publicado por adignidadedadiferenca às 21:12 link do post
26 de Dezembro de 2016

 

Entre o que de mais relevante passou pelas salas de cinema portuguesas, o destaque vai para os inconformistas e desafiantes Apichatpong Weerasethakul e Paul Verhoeven (com o inquietante e moralmente ambíguo Elle), os promissores e desconcertantes László Nemes (autor de um soberbo filme sobre os campos de extermínio nazis) e Corneliu Porumboiu, o sublime classicismo de Ira Sachs, o belo regresso de Pedro Almodóvar ao melodrama ou a descoberta dos prodigiosos Boris Barnet (o mudo A Casa na Praça Trúbnaia) e Larissa Shepitko (com Asas e, sobretudo, Ascensão) na recente e marcante exibição do Ciclo de Cinema Russo no Cinema Nimas. O último e magnífico filme de Hou Hsiao-Hsien, A Assassina, fica de fora por já ter feito parte das escolhas de 2015. Uma última palavra para Well Or High Water (Custe o Que Custar!), cujo autor, David Mackenzie, foi capaz de trabalhar e renovar a herança de Sam Peckinpah e para Os Oito Odiados, um Quentin Tarantino peculiar, que só não integra a lista porque apenas reservei lugar para dez escolhas, que também poderiam incluir os óptimos A Academia das Musas, de José Luis Guerín, e Eu, Daniel Blake, de Ken Loach...

 

michael almereyda.jpg

Experimenter, de Michael Almereyda

 

Pedro Almodóvar.jpg

Julieta, de Pedro Almodóvar

 

Boris Barnet.jpg

A Casa na Praça Trúbnaia, de Boris Barnet

 

David MacKenzie.jpg

Hell Or High Water, de David Mackenzie

 

lászló nemes.jpg

O Filho de Saul, de László Nemes

 

Corneliu Porumboiu.jpg

Tesouro, de Corneliu Porumboiu

 

Ira Sachs.jpg

O Amor é Uma Coisa Estranha, de Ira Sachs

 

Larissa Shepitko.jpg

Ascensão, de Larissa Shepitko

 

Paul Verhoeven.jpg

Ela, de Paul Verhoeven

 

weesarethakul.jpg

Cemitério do Esplendor, de Apichatpong Weerasethakul

publicado por adignidadedadiferenca às 19:56 link do post
14 de Dezembro de 2016

Entre edições e reedições de uma série de obras de ficção, poesia, história, política, cinema, religião, ensaio, divulgação científica e filosofia, estes terão sido os livros que mais gostei de ler durante o corrente ano. De fora ficaram os óptimos e potencialmente elegíveis Sangue Azul Gelado, do russo Iúri Buida, retrato desencantado e original de uma actriz que procura ambientar-se num clima hostil, e O Antigo Egipto, de Donald P. Ryan, onde é sugerida uma fascinante viagem a lugares míticos do Egipto. Doze livros para doze meses, correspondendo cada um deles a um dos meses do ano, dispostos por ordem alfabética. Injusto seria não realçar que também poderiam estar aqui o Ricardo Araújo Pereira, com as suas singulares considerações sobre o humor, enunciadas no recente A Doença, o Sofrimento e a Morte Entram Num Bar, bem como a reedição das labaredas do intenso Um Copo de Cólera, de Raduan Nassar, prémio Camões 2016...

 

t s eliot.jpg

Poemas Escolhidos, de T. S. Eliot

 

karl jaspers.jpg

Pequena Escola do Pensamento Filosófico, de Karl Jaspers

 

bisonte.jpg

Bisonte, de Daniel Jonas

 

walter lewin.jpg

A Paixão da Física, de Walter Lewin e Warren Goldstein

 

magris uma causa improcedente.jpg

Uma Causa Improcedente, de Claudio Magris

 

islao.jpg

O Islão e o Ocidente, A Grande Discórdia, de Jaime Nogueira Pinto

 

judas.jpg

Judas, de Amos Oz

 

púchkin eugénio onéguin.jpg

Eugénio Onéguin, de Aleksandr Púchkin

 

sebald 1.jpg

A Descrição da Infelicidade, de W. G. Sebald

 

serge.jpg

O Caso do Camarada Tulaev, de Victor Serge

 

david thomson.jpg

Como Ver Um Filme, de David Thomson

 

paulo varela gomes passos perdidos.jpg

Passos Perdidos, de Paulo Varela Gomes

publicado por adignidadedadiferenca às 17:52 link do post
31 de Dezembro de 2015

 

racismo.jpg

Francisco Bethencourt, «Racismos, Das Cruzadas ao Século XX»

 

calvino.jpg

Italo Calvino, «Porquê Ler os Clássicos?»

 

john darwin1.jpg

John Darwin, «Ascensão e Queda dos Impérios Globais 1400-2000»

 

atul.jpg

Atul Gawande, «Ser Mortal»

 

Oblomov.jpg

Ivan Gontcharov, «Oblomov»

 

javier.jpg

Javier Marías, «Assim Começa o Mal»

 

rolin.png

Olivier Rolin, «O Meteorologista»

 

carl schmitt.jpg

Carl Schmitt, «O Conceito do Político»

 

truffaut.png

François Truffaut, «Os Filmes da Minha Vida»

 

voltaire.jpg

Voltaire, «Tratado Sobre a Tolerância»

 

publicado por adignidadedadiferenca às 10:10 link do post
27 de Dezembro de 2015

 

the apatments no song no spell no madrigal.jpg

The Apartments, «No Song, No Spell, No Madrigal»

 

camané.jpg

Camané, «Infinito Presente»

 

carmignola bach violin concertos.jpg

Giuliano Carmignola, «Bach: Violin Concertos»

 

fred hersch solo.jpg

Fred Hersch, «Solo»

 

julia holter have you in my wilderness.jpg

Julia Holter, «Have You in My Wilderness»

 

pavel haas quartet smetana string quartets.jpg

Pavel Haas Quartet, «Smetana: String Quartets»

 

schlippenbach trio features.jpg

Schlippenbach Trio, «Features»

 

shye ben tzur jonny greenwood and the rajasthan ex

Shye Ben Tzur, Jonny Greenwood and The Rajasthan Express, «Junun»

 

richard thompson still.jpg

Richard Thompson, «Still»

 

the unthanks mount the air.jpg

The Unthanks, «Mount the Air»

 

publicado por adignidadedadiferenca às 18:57 link do post
22 de Dezembro de 2015

 

vício intrínseco.jpg

Paul Thomas Anderson, Vício Intrínseco

 

bogdanovich.jpg

Peter Bogdanovich, Ela é Mesmo... o Máximo!

 

a assassina.jpg

Hou Hsiao-Hsien, A Assassina

 

as asas do vento.jpg

Hayao Myiazaki, As Asas do Vento

 

minha mãe.jpg

Nanni Moretti, Minha Mãe

 

phoenix1.jpg

Christian Petzold, Phoenix

 

o país das maravilhas.jpg

Alice Rohrwacher, O País das Maravilhas

 

rossellini.jpg

Retrospectiva de Roberto Rossellini

 

jacques tati.jpg

Retrospectiva de Jacques Tati

 

national gallery1.jpg

Frederick Wiseman, National Gallery

 

publicado por adignidadedadiferenca às 01:43 link do post
01 de Janeiro de 2015

E, por fim, aqui fica registada a escolha dos álbuns mais relevantes de 2014 em função dos seus traços de personalidade que escapam ao modelo copista que infecta a quase totalidade da produção universal. Contudo, esta lista poderia ser substituída sem significativa desvalorização patrimonial pelas mais recentes publicações de Clifford Brown, Anna Calvi, Capicua, Pablo Heras-Casado, Leonidas Kavakos & Yuja Wang, Hamilton Leithauser, Paco de Lucia, The Phantom Band, Real Combo Lisbonense, Marc Ribot Trio, Tune Yards ou Suzanne Vega. E ainda conseguiria acrescentar um ou dois que ficarão, no entanto, injustamente esquecidos.

 

ambrose akinmusire.png

Ambrose Akinmusire

 

tony allen.jpg

Tony Allen

 

cecilia bartoli otello rossini.jpg

Cecilia Bartoli, Muhai Tang

 

 

the delines.jpg

The Delines

 

bob dylan the band.jpg

Bob Dylan and The Band

 

fka twigs.jpg

FKA twigs

 

jerusalem quartet.jpg

Jerusalem Quartet

 

amélia nos versos de amália.png

Amélia Muge

 

ricardo rocha.png

Ricardo Rocha

 

st. vincent.jpg

St. Vincent

 

tre voci.png

Tre Voci

 

mark turner quartet.jpg

Mark Turner Quartet

publicado por adignidadedadiferenca às 12:07 link do post
01 de Janeiro de 2014

Fim da recolha. Entre novidades e (primeiras) reedições, sem restrições de categorias ou géneros musicais, aqui ficam os discos que mais gostei de escutar em 2013 – no total são trinta discos os escolhidos. Destaque merecido para o opus 2 de Anna Calvi, o extraordinário e inesperado regresso da folk de Linda Thompson, a feliz aventura jazzística de June Tabor (no coletivo Quercus), Machineries Of Joy, dos British Sea Power, em cujas veias circulam revitalizados a tensão e o magnífico sangue musical dos Echo & The Bunnymen, o instinto melódico conjugado com o experimentalismo subtil do último trabalho de Laura Veirs, e para a reedição da obra integral da admirável Banda do Casaco. De fora ficaram, injustamente, Shaking the Habitual, dos arrojados The Knife - embora de digestão algo difícil, mas o futuro pertence-lhes -, o precioso classicismo de Electric, de Richard Thompson, ou o mais recente, introspectivo e belíssimo trabalho dos These New Puritans. Não é possível, contudo, incluir todos. The Jazz Age, da Bryan Ferry Orchestra, e The Sparrow, de Lawrence Arabia, também ficaram de fora. Estes, porém, deixei-os à margem por outra razão. Embora só os tenha escutado em 2013, foram na realidade publicados durante o ano de 2012.

 

  

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

29 de Dezembro de 2013

Mantém-se o critério que orientou a elaboração da lista dos meus livros preferidos de 2013: doze filmes (sendo do mesmo cineasta e tratando-se de obras que se complementam, o díptico de Ozu conta como um), correspondendo a um filme por cada mês de calendário. Contudo, dada a relativa escassez de obras que merecem ser efectivamente realçadas, volto a conjugar na minha lista filmes estreados nas salas de cinema com filmes editados no mercado de DVD, sem me preocupar com géneros ou hierarquias. Não quero, porém, deixar de referir a edição em DVD da monumental da Tetralogia do Poder, do russo Aleksandr Sokurov, assim como a notável edição a cargo da Midas Filmes da magnífica, raríssima e injustamente ignorada obra de Victor Erice. Quanto aos filmes estreados nas salas de cinema, é de louvar a resistência das pequenas distribuidoras independentes, direcionadas para uma minoria cinéfila, culta e interessada. E ainda, acima de todas, as obras do genial Ozu, realizadas em 1953 e 1962, e finalmente estradas comercialmente em Portugal, Viagem a Tóquio e O Gosto do Saké.

 

 Paul Thomas Anderson, O Mentor

 

Terence Davies, O Profundo Mar Azul 

 

 Victor Erice, Obra Completa (DVD)

 

Matteo Garrone, Reality

 

James Gray, Coleção de 3 Filmes (DVD)

 

Pablo Larraín, Não

 

Yasujiro Ozu, Viagem a Tóquio

 

Yasujiro Ozu, O Gosto do Saké

 

 Christian Petzold, Barbara

 

Hong Sang-soo, Noutro País

 

Aleksandr Sokurov, Tetralogia do Poder (DVD)

  

Quentin Tarantino, Django Libertado

 

Margarethe Von Trotta, Hannah Arendt

28 de Dezembro de 2013

Face à dimensão quase estratosférica de obras que foram publicadas durante o ano e à impossibilidade física de aceder a um número mínimo exigível que permita ficar com uma ideia aceitável das publicações relevantes no domínio da criação literária, apresentar uma lista dos melhores livros do ano é, cada vez mais, uma tarefa francamente ingrata. Subsiste por isso o critério utilizado no último ano: escolher de memória os livros que mais me agradaram, sem preocupações de género ou de hierarquia. Uma lista de doze livros (nacionais e estrangeiros) - quantidade só possível de atingir com o contributo dos dois volumes da História da Minha Vida, de Giacomo Casanova -, equivalente a um por cada mês de calendário, discretamente organizada por simples ordem alfabética. Falta o destaque mais ou menos óbvio de Servidões, do Herberto Hélder - pelo menos, a avaliar pela dimensão transcendente da sua obra passada -, mas não consegui apanhar o livro. Também não entra na lista, mas podia entrar, o livro com a recolha dos escritos de Claudio Magris, publicados em jornais nos últimos dez anos, intitulado Alfabetos. Porém, só agora tive a oportunidade de lhe pegar...

 

 Giacomo Casanova, História da Minha Vida (2 volumes)

 

 Pedro Correia, Vogais e Consoantes Politicamente Incorrectas do Acordo Ortográfico

 

 Carlos Fuentes, Contos Sobrenaturais

 

Ben Goldacre, Farmacêuticas da Treta

 

Knut Hamsun, Mistérios

 

Henry James, O Aperto do Parafuso

 

Jacques Rancière, Béla Tarr O Tempo do Depois

 

Gustavo Sampaio, Os Privilegiados

 

Lee Smolin, O Romper das Cordas

 

Hjalmar Söderberg, O Jogo Sério

 

Dalton Trevisan, A Trombeta do Anjo Vingador

03 de Janeiro de 2013

E a escolha termina finalmente aqui. Recolhi novidades, reedições - apenas as primeiras e não as sucessivas, o que explica, por exemplo, a ausência da obra reeditada de José Afonso e, sobretudo, dos extraordinários Cantigas do Maio e Venham Mais Cinco – e edições de arquivo; a arca do tesouro trouxe, neste último caso, gravações inéditas de Wes Montgomery e de Bill Evans. Deixei de fora Loveless, dos My Bloody Valentine, que, contudo, podia figurar no lugar de Isn't Anything. Sublinhe-se ainda que, noutro dia e em condições diferentes, entrariam facilmente na lista dos eleitos os mais recentes trabalhos de Andrew Bird, Leonard Cohen, Neneh Cherry, dos Músicos do Tejo (com a interpretação notável da ópera La Spinalba), Dirty Projectors, ou os seminais A Um Deus Desconhecido e Sexto Sentido da Sétima Legião (e a restante obra, embora não impressione tanto, não merece ser menosprezada); desta vez, injustificadamente, ficaram de fora. Ouçam-nos na mesma.

 

  

  

 

 

 

 

 

 

 

 

02 de Janeiro de 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 18:28 link do post
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO