a dignidade da diferença
11 de Dezembro de 2015

 

shes-funny-that-way.jpg

 

Para quem se recorda das screwball comedies de Hawks, Sturges, Capra ou Cukor na época de oiro do cinema clássico americano, do seu ritmo extravagante e da velocidade alucinante dos seus diálogos, o estilo do mais recente filme de Peter Bogdanovich (Ela é Mesmo... o Máximo, no título em português) não será propriamente uma novidade, pois nele sobressai um número significativo de referências ao cinema clássico americano. Após uma longuíssima ausência – a sua obra anterior, The Cat's Meow, data já de 2001 – Peter Bogdanovich regressa com uma comédia elegante e deliciosamente libertina, dinâmica, engenhosa, subtil e inteligente, capaz de ombrear com as mais sofisticadas e saudosas comédias de Woody Allen. O filme do cineasta norte-americano é um pequeno tratado sobre encontros e desencontros nas relações humanas, uma divertida coreografia em torno de pessoas que se descobrem frequentemente em circunstâncias equívocas. Classicista até à medula – é bem conhecida a sua veneração pelas velhas glórias de Hollywood, os primitivos Dwan, Lubitsch, Cukor, Hawks, Hitchcock, Ford ou Walsh -, o humor de Bogdanovich não traz nada de novo ao cinema em geral e à comédia em particular; porém, o seu particular talento de coreógrafo permite-lhe desenvolver as mais diversas possibilidades de encenação de uma comédia – a composição dos planos, as figuras, os encadeamentos expressivos – actualizando uma simples história de uma call girl que pretende ser atriz, que gira em torno de uma prostituta, do amante, da sua mulher e do amante desta, sugerindo algo mais significativo do que um mero exercício retro de pura nostalgia.

 

 

publicado por adignidadedadiferenca às 19:28 link do post
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
19
20
21
23
24
25
26
28
29
30
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO