a dignidade da diferença
07 de Agosto de 2010

 

«É sabido que só há uma maneira mais eficaz do que abrir um livro para evitar uma conversa numa sala de espera, que é abrir um livro de matemática. A simples menção da palavra «matemática» infunde calafrios, terror, e pode reconduzir o adulto mais seguro aos tremores de uma divisão com fracções e a outros pesadelos numéricos da infância. E apesar de o pensamento matemático ter deixado nas chamadas Humanidades as suas impressões digitais por todo o lado, dos pitagóricos ao Círculo de Viena, da aposta teológica de Pascal à ética segundo a ordem geométrica de Espinosa, dos primeiros princípios de Descartes ao teorema de Gödel, e apesar de a matemática ter provado ser ao longo da história uma ciência inacreditavelmente mutável e proteiforme, tudo parece ter sido em vão, e a imensa maioria continua a confundi-la com esse fragmento bastante enfadonho que se ensinava (ensina?) nos estabelecimentos do ensino secundário».

 

Martínez, Guillermo, Borges e a Matemática, 1.ª Ed., 2006, Âmbar, Trad. De Miguel Serras Pereira

 

publicado por adignidadedadiferenca às 15:58 link do post
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
16
19
20
22
23
28
30
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO