a dignidade da diferença
26 de Julho de 2009

 

É bem patente a intenção de psicologizar e dramatizar as fronteiras entre os espaços interior e exterior. Esta ideia é continuada e acentuada em Quartos para Turistas, de 1945. Neste quadro, o tratamento das fronteiras é fundamentalmente ambivalente; trata-se, presumivelmente, da ilustração da descoberta de Freud de que os domínios do oculto e do alienante podem bem transitar um para o outro, visto que têm a mesma origem. A casa com os quartos de hóspedes ergue-se na noite, como um local acolhedor; as suas divisões iluminadas no rés-do-chão e a placa publicitária iluminada pela luz ao pé da vedação de sebe do lado da rua prometem segurança. Mas este local de conforto e acolhedor comporta ao mesmo tempo algo alienante, pois atrás das suas janelas iluminadas não se vêem pessoas e a luz que sai das janelas do rés-do-chão é de tal maneira forte que dir-se-ia a casa ser iluminada por uma única fonte de luz, no seu centro, dando-lhe uma claridade estranha. Este quadro transcende, assim, os seus contornos realistas: faz lembrar uma certa casa iluminada de maneira estranha por dentro, representada por Edvard Munch em A Tempestade (1893).

 

A casa dos quartos de hóspedes é, no quadro de Hopper, a única coisa bem iluminada também por fora, por uma luz cuja origem é desconhecida. Na sua fachada principal, encontram-se as luzes exterior e interior, a casa está revestida pelos tais efeitos de luz alienadores, que também caracterizam O Império da Luzes II (1950), de René Magritte.

 

Rolf G. Renner, in «Edward Hopper, Transformações do Real», Taschen 2001

 

publicado por adignidadedadiferenca às 19:56 link do post
Who are you, man?
Digo eu.

Tocou num ponto muito importante.
As casas.
Muitas vezes, quando conduzo, olho as casas.
De uma forma obsessiva, quase... alienada.
Sempre gostei do aconchego...da minha casa.
Minha?
A casa dos meus silêncios.

Gosto de comboios, aviões, gares, metros, motéis, estações de serviço...
O ir e voltar...o infinito e o absurdo.
Podia viver num hotel, no cimo de uma àrvore, nos bastidores de um teatro...
Mas preciso de um espaço para estar muito quieta...só.

Ah! as casas!

Vou descansar uns dias ( bem preciso).

Sou oncologista, num hospital central, no Porto( Centro Hospitalar do Porto). Todos os dias tenho a Morte como companhia.
Estou farta de ver a classe médica tão maltratada.
Estou de consciência tranquila. Em paz.
Lamento.
Vou por aí...
Continue a escrever assim.
Bem haja.
Um abraço
Estrela
ionesco a 26 de Julho de 2009 às 22:47
«Who are you, man?»

Por aí. Açores, Algarve e Granada. Também estive a tratar do acesso à faculdade para fazer o curso de direito (aos 39 anos é que me meti nisto...), porque me vai ajudar no trabalho. É a razão porque o tempo tem sido curto para visitar e comentar os blogs das pessoas que me interessam.

Obrigado pelo seu comentário. Estou totalmente solidário consigo. Mas não se preocupe: neste país fala-se muito mas - salvo as excepções do costume - pensa-se pouco ou nada. É mais fácil ir atrás do que diz a comunicação social (jornais e televisão). A má, porque a boa também existe mas dá trabalho lê-la ou escutá-la. Bom descanso. Bjs
Coincidência incrível. Hoje de tarde estava na biblioteca a folhear um livro de arte e vi um quadro e pensei "lembra-me o Hopper"...Não estou a inventar!
Manuel a 28 de Julho de 2009 às 01:37
"Hoje" segunda feira...por um dia...
Manuel a 28 de Julho de 2009 às 01:39
E, já agora, qual era o quadro?
Ermm...Tava acompanhado...e não fixei....
Manuel a 30 de Julho de 2009 às 22:09
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
17
18
19
21
23
24
25
27
28
29
31
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO