a dignidade da diferença
30 de Novembro de 2008

 

CAT POWER E MICAH P. HINSON

 

Se esperei este tempo todo para falar de «Jukebox», o álbum de versões de Chan Marshall publicado logo no início deste ano, acabei por ser recompensado pela edição do novo disco de Micah P. Hinson «micah p. hinson and the red empire orchestra» e, favorecido pelo acaso, poder associar a música dos dois que - quem ousará negá-lo? – habita o mesmo espaço estético.

E quando falamos da sua música falamos de canções duras e desapiedadas, construídas por quem há muito se deixa consumir por uma existência amarga e tantas vezes caminhando sobre o fio da navalha. É verdade que o rosto de ambos é enganadoramente doce – Micah P. Hinson nunca abandonará aquele ar imberbe de puto do liceu e Chan Marshall parece um anjo que desceu à terra -, mas a voz e a letra das canções denunciam, logo à primeira audição, o pó que pisaram.

Se a matéria de que são feitas as canções cruas e autênticas de Micah P. Hinson é a mesma que moldou a carreira de John Cale, Mark Eitzel, Scott Walker ou Hank Williams, Chan Marshall optou no seu disco de versões por escolher autores da mesma estirpe, a dos espíritos inquietos e desventurados: Bilie Holiday, James Brown, Hank Williams (também), Bob Dylan e nem sequer se esqueceu de si própria.

 

 

O primeiro tem o selo de quem já sofreu mais agruras da vida do que aquelas que a sua idade permite (23 anos) e as histórias que se desenrolam numa atmosfera indie-pop-folk-rock vagamente descuidada, mais não fazem do que confirmá-lo. Chan Marshall apropria-se literalmente das canções que interpreta com uma esplêndida voz de quem já abandonou este mundo mais que uma vez. Depois de escutadas, passamos a sentir aquelas canções unicamente como suas. E se nos garantirem o contrário, estamos prontos a negá-lo sob juramento. «New York» nunca morou na voz de Sinatra, «Ramblin’ (Wo)man» não é de Hank Wiliams, Dylan nunca escreveu «I believe in you» ou, se o fez, estava (obviamente) a pensar em Chan Marshall. Com as restantes passa-se o mesmo. A suprema ironia de um disco de versões é ser «Metal Heart», composta por Marshall, provavelmente a melhor canção de «Jukebox».

Duas obras pontualmente diferentes, mas que convergem no mesmo rumo estético e se alimentam das partidas que a vida insiste em pregar.

Se o que ficou para trás já o anunciava, as publicações deste ano confirmam-no em absoluto: dois inseparáveis irmãos de sangue.

 

 

 

 

ALEKSANDR SOKUROV

 

Quem  faz parte da mesma família é o cineasta russo Aleksandr Sokurov que, depois do verdadeiro «tour de force» que foi «A Arca Russa» (filmado num único plano-sequência) - «Moloch» ainda não cheguei a ver -, lançou este ano o magnífico e bastante acessível «Alexandra».

Se o cenário é, tal como o dos dois músicos, desconfortável e, por vezes, francamente cruel – o filme conta-nos a história de Nikolaevna, avó que vai visitar o neto na frente russa da Tchetchénia e que depara com um mundo onde está ausente a sensibilidade, o conforto, a riqueza e a manifestação natural de emoções e sentimentos.

Sokurov mostra, no entanto, uma capacidade extraordinária para enriquecê-lo  - como contraponto estético a uma certa austeridade (no bom sentido) própria de Tarkovski – com um sopro divino que tomou conta da sua câmara de filmar e que é próprio de quem ama profundamente a terra como se esta fosse sua. Se a memória não me falha, talvez apenas Dovjenko o tenha feito de forma mais perfeita.

De Sokurov, quem ainda se lembra do magnífico «Mãe e filho» assinado quase no final do século XX?

 

 

«De Sokurov, quem ainda se lembra do magnífico «Mãe e filho» assinado quase no final do século XX?»

qualquer pessoa que o tenha visto.
sem-se-ver a 1 de Dezembro de 2008 às 22:58
É uma opinião demasiado optimista, mas espero bem que sim. Vi-o duas vezes no cinema e não descansei enquanto não comprei o filme em dvd.
Curioso. Estava a ouvir o novo EP da Chan enquanto lia o teu comentário acerca de Dreyer no meu blog e o utilizei como hiperligação para o teu.

Belo post . Sou grande apreciador da Cat Power em todas as suas vertentes. Adorei ambos os álbuns de covers e ando-me a deliciar com um EP que agora saiu com versões adicionais com a sua banda, Dirty Delta Blues. Não figuram no alinhamento do Jukebox mas apareceram nos concertos da mesma tour e valem muito apena. Está presente aquela magnifica versão da I've Been Loving You Too Long (To Stop Now )" do Otis Redding entre muitas outras que são tão boas, ou mesmo melhores, que as do álbum.

Quanto a Sokurov só tive oportunidade de ver esse Alexandra e achei uma ensaio interessantíssimo sobre o envelhecimento numa era de guerras sem significado. E uma perspectiva muito feminina sobre o mesmo assunto.
Nuno Gonçalves a 2 de Dezembro de 2008 às 00:45
Obrigado pela dica do EP da Chan Marshall. Quanto ao Otis Redding, também gosto imenso da versão dos Tindersticks que faz parte do «Donkeys 92-97». Do Sokurov vê, se puderes, o «Mãe e filho». É um filme prodigioso, poético, doloroso mas não desesperado e onde passa pelos nossos olhos a mais extraordinária relação entre cinema e pintura dos últimos (muitos) anos. Gostei de ver o teu blog e acho que vou lá colocar a minha lista dos 5 Hitchcocks favoritos.
Mais dois excelentes discos de Micah.P.Hinson e Cat Power.

Abraço
Shumway a 4 de Dezembro de 2008 às 11:28
Sem dúvida. O teu blog também está cheio de boa música.
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
17
18
19
21
22
24
25
26
27
28
29
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO