a dignidade da diferença
20 de Setembro de 2008

 

O melhor álbum com a participação de Anne Sofie Von Otter, destinado, quase seguramente, a provocar as paixões mais extremas.

Com uma quase insuperável espessura dramática, para a qual muito contribuiu a avassaladora direcção orquestral de John Eliot Gardiner - na versão para soprano de Die Sieben Todsunden - e do piano de Bengt Forsberg, esta obra é muito mais do que uma manifestação de fé e prazer no acto da criação musical.

Sempre que voltamos a Je ne t'aime pas, Speak low, Foolish heart, Nannas lied ou Bilbao-song, com as canções regressa a angústia, o deslumbramento, a crença, a dor e  o fascínio que sentimos da primeira vez.

Vai faltar na divulgação a que tenho dado o nome de «Discos que nunca mais se esquecem», mas é uma das mais expressivas manifestações artísticas do século XX e um dos seus monumentos.

Um dos álbuns da minha vida que só não levo para uma ilha deserta, porque não gosto de me sentir abandonado e à mercê da sorte...

 

publicado por adignidadedadiferenca às 23:54 link do post
Tenho o seven deadly sins em cd mas pela Faithfull...
Manuel a 21 de Setembro de 2008 às 12:40
Também não ficaste mal servido...
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
17
18
19
22
28
29
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO