a dignidade da diferença
30 de Julho de 2008

Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust

 

 

Agora que estou quase a terminar o segundo volume de «O homem sem qualidades» do escritor austríaco Robert Musil, um dos nomes do quarteto revolucionário na prosa do início do século XX (servindo-me das palavras de João Barrento) – formado por Marcel Proust, James Joyce, Franz Kafka e, obviamente, Musil -, chegou o momento de recordar neste espaço aquele que considero o mais extraordinário romance escrito durante o século passado: os sete volumes que dão origem a «Em busca do tempo perdido», esse fresco monumental da sociedade daquela época.

Narrado por Marcel (nome que nos é divulgado, quase se poderia dizer, de forma acintosa apenas por duas vezes em toda a narrativa), «Em busca do tempo perdido» descreve as histórias do amor obsessivo de Charles Swann por Odette, com quem acaba por casar, da filha Gilberte (a primeira paixão de Marcel) por Saint-Loup, amigo do narrador, e, finalmente, da inadjectivável Albertine, que mantém com Marcel uma longa, tormentosa e complexa relação que acaba em fuga e morte dela. 

Tudo, mas mesmo tudo, é prodigioso neste romance, desde a forma intensa como autor revela o seu talento no traço impressionista e nas tonalidades que imprime ao sofrimento e aos ciúmes que caracterizam os vários protagonistas, atingindo o seu esplendor descritivo na composição da relação irónica, trágica e obsessiva que Marcel vive com a amada Albertine. Nunca uma personagem passou por tanta dor, ciúme, erotismo e traição em busca daquilo que considera o tempo perdido de Albertine.

 

Proust constrói a história com um dos mais ricos e variados punhados de personagens de que há memória: cómicos, irónicos, extremamente vivos, ciumentos, obsessivos e evasivos que são o espelho fiel da sociedade francesa de então – desde finais do século XIX até aos anos vinte do século seguinte.

Os recursos utilizados pelo célebre escritor brilham intensamente através da perfeita composição e do destino «certo» dado às personalidades que fazem parte da história e que são tratados com tanta humanidade , sem esquecer os grandes temas que atravessam todo o romance. Nele se fala da amizade, da estética e da beleza, do anti-semitismo, do mar, do tempo, da memória e do ciúme (estes três são, sem dúvida, os mais importantes), da literatura, da mentira, do talento do narrrador como romancista, do desejo, da homossexualidade, do sado-masoquismo e dos bordéis. Ter-me-ei esquecido de algum? Todos eles o escritor vai interligando de forma sublime, absolutamente profunda, viciante, inventiva e genial, atingindo a sua expressão máxima no modo como, tantas vezes, nos «diverte» a atormentar e a ferir os seus protagonistas - como  se subentende, por exemplo, na quase maníaca investigação que Marcel faz das paixões lésbicas de Albertine, após a sua morte -, e, ao mesmo tempo, as trata de maneira tão divina.

Mas são apenas exemplos, nada mais do que isso, de um universo criado com uma atitude tão ousada e perturbadora que significa, para mim, o mais perfeito e extremo relato das possibilidades que existem numa relação vivida entre seres humanos e o paradigma do romance clássico. E não me estou a esquecer, como poderão pensar, de «Ulysses» de James Joyce. Mas desse outro romance que revolucionou a escrita do século XX, falarei numa próxima oportunidade.

 

 

Já agora, do lado da música, deixo aqui este texto de um site brasileiro:

"Carlos Swann jamais esqueceria a primeira vez que ouviu a pequena frase da sonata de Vinteuil. Ela lhe abriu a alma "como certos odores de rosa, circulando no ar úmido da tarde, têm a propriedade de dilatar-nos a narina". Quem leu Proust sabe do que se está falando – da Sonata para Piano e Violino, do compositor Vinteuil, executada insistentemente ao longo dos sete volumes de Em Busca do Tempo Perdido. Em especial, Carlos Swann, um dos principais personagens do livro, amava a pequena frase que, começando nos trêmulos do violino, depois se afastava e, "como numa dessas telas de Pieter de Hooch, cuja perspectiva é aprofundada pelo quadro estreito de uma porta entreaberta ao longe", aparecia "dançante, pastoral, intercalada, episódica, pertencente a um outro mundo". O leitor já ouviu música igual? Não surpreende que Swann sentisse, ao ouvi-la, "peculiares volúpias" e fosse conduzido a uma "felicidade nobre, ininteligível e precisa". "
Manuel a 30 de Julho de 2008 às 02:45
Bem lembrado, Manuel, e boa associação ao livro. Já tenho os sentidos novamente despertos. Ai, Albertine, Albertine...
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
17
21
22
23
24
29
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO