a dignidade da diferença
31 de Outubro de 2016

 

persona 2.jpg

 

Elisabet Vogler (interpretada por Liv Ullmann), uma actriz de sucesso, fica subitamente muda durante uma representação da peça Electra. Por sua vez, uma jovem enfermeira, Alma (papel atribuído a Bibi Andersson), é contratada para cuidar da actriz. Lentamente, desenvolve-se um enigmático processo de influência recíproca que leva as protagonistas a trocar de manifestações, numa relação de confronto: Enquanto Elisabet recupera Alma - que adorava conversar e lida com o silêncio da actriz conversando com esta - emudece. Uma estrutura formal progressivamente auto-reflexiva e auto-observadora, configura um conjunto de variações sobre a duplificação e faz avançar uma aparente história de possessão, do acto quase doentio entre duas mulheres que acabam por se unificar. Ocupando um lugar central na história do cinema do século XX, Persona, provavelmente a obra-prima de Ingmar Bergman, dispensa todas as meticulosas dissertações que pretendem esclarecer o sentido de cada plano ou imagem, numa contínua e excessiva explicação psicanalítica das relações entre os protagonistas e destes com o próprio autor.

 

persona 1.jpg

 Quando Liv Ullmann/Bibi Andersson são uma só...

 

Com efeito, o fascínio de um filme que combina naturalmente fantasia e realidade advém do poder sugestivo das suas imagens, difícil de traduzir em palavras. Esta história de duas mulheres, dos seus sonhos e enigmas, bem como das suas diferentes possibilidades, é tão mais aliciante porque, como já muitos afirmaram, nunca como aqui Bergman conseguiu reunir um tal grau de simplicidade e complexidade, conseguindo com esta experiência atingir a máxima expressividade dizendo tanto com tão pouco. Na verdade, mais enriquecedor para o espectador que as habituais discussões que giram em redor do filme, é experimentar o confronto único com Persona, seguir a sua estrutura interna e, aceitando o convite para participar na sua construção, oscilar sobre a identidade de quem fala (quem é o sujeito?), por obra e graça do talento admirável do cineasta sueco, de onde sobressai sempre a primazia absoluta do rosto humano. Concluida a trilogia sobre o silêncio de Deus, o cinema de Bergman reinventa-se de novo em 1966.

 

publicado por adignidadedadiferenca às 20:16 link do post
11 de Outubro de 2016

 

família 1.jpg

 

A palavra “família” banalizou-se de tal forma no nosso dia-a-dia, tão corrente é na literatura, seja ela erudita ou popular, que temos dificuldade em recensear todas as suas ocorrências. Esta polissemia constitui, sem dúvida, um bom testemunho das mutações que ao longo da história sofreu a instituição que o termo denomina. A palavra latina, “familia”, aparece em Roma como derivada de “famulus” (servidor), mas não se aplicava então ao que habitualmente entendemos pelo termo. «Designava-se por familia o conjunto dos escravos e servidores vivendo sob um mesmo tecto (…); depois, toda a “casa” - senhor, por um lado, mulheres, filhos e servidores vivendo sob o seu domínio, por outro (…). Depois, por extensão de sentido, “familia” passou a designar os “agnati” e os ”cognati”, tornando-se, pelo menos na linguagem corrente, sinónimo de “gens”» (…) “Casa”, conjunto dos indivíduos que vivem sob o mesmo tecto; ”gens”, comunidade formada por todos os descendentes de um mesmo antepassado; “agnati”, os parentes paternos; “cognati”, os maternos e, por extensão, o conjunto dos consanguíneos – todas estas unidades parentais reunimo-las nós hoje sob o vocábulo “família”. Acontece, porém, que cada um destes círculos de pertença apresenta extensões variáveis consoante o lugar e a época, os grupos sociais e as circunstâncias. Da multiplicidade de formas e designações que tais entidades sociais assumem, transformando-se e perdurando nas grandes civilizações ocidentais e orientais, dão-nos conta os textos incluídos na presente obra. Se outros não houvesse, esses testemunhos bastariam para nos convencer de que sempre e em toda a parte existiram agrupamentos familiares sob variadíssimas formas, podendo este ou aquele assumir um papel mais ou menos fundamental na organização das leis orais e escritas que governam, ou governaram, as sociedades em questão.

Françoise Zonabend, in «História da Família»

Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO