a dignidade da diferença
15 de Março de 2013

 

 

Desenhada aparentemente nos intervalos do silêncio, a poesia ilustrada de Maria Sousa encontra na justa medida de uma frase, no murmúrio de um verso, a silhueta do seu perfil melancólico, refugiado entre gestos de ternura e movimentos de uma serena amargura. No segundo livro da poetisa (emoldurado por uma deliciosa capa retro e descodificado pelo prefácio de  Pedro Santo Tirso, os quais não deverão ser menosprezados) perdura uma fortíssima relação com a natureza - cujo cheiro a terra, a que o vento, o frio e a chuva deram voz, se assemelha ao sentido poético de I Know Where I’m Going, esse extraordinário e mítico filme da dupla Powell/Pressburger -, fixando, nas paisagens agridoces que habitam a gramática dos poemas, as emoções, os desejos e as confissões sussurradas pela autora, compilados num esboço rejuvenescido do seu universo real de memórias, cores e pequenas sombras. Uma belíssima maneira de enganar as rugas do tempo.

publicado por adignidadedadiferenca às 23:05 link do post
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO