a dignidade da diferença
30 de Outubro de 2011

 

 

O escapismo sempre funcionou legitimamente para a grande maioria das pessoas como a melhor forma de atravessar os problemas mais difíceis das suas vidas. No período da Grande Depressão, o cinema encontrou no génio coreográfico de Busby Berkeley uma das formas mais eficazes para entreter a população. Perante a crise e a dura realidade, Berkeley respondia com a delirante fantasia. Um conjunto de histórias simples, sob pano de fundo musical e em tom ligeiro de comédia, foram a alavanca para a prodigiosa imaginação de Busby Berkeley - sobretudo Rua 42 e Orgia Dourada. Da sua cabeça deslizaram para o cinema algumas das ideias visuais mais fulgurantes da sua história; nele, era a câmara que tomava conta dos acontecimentos: ângulos impossíveis, corpos dançantes desafiando escalas, movimentos simétricos e planos picados sobre as bailarinas, configuram uma assombrosa sequência de imagens sensuais e semi-abstractas. Nos seus anos dourados, Berkeley possuía um talento admirável, ousado e elegante, cuja natureza visual contribuiu largamente para modificar a nossa forma de compreendermos culturalmente aquilo que vemos. Ao contrário do que supõe quem ocupa actualmente o seu tempo com A Casa dos Segredos e os gordinhos da Bárbara Guimarães, o melhor entretenimento sempre foi inteligente. Faltando nos dias de hoje um talento genuíno, não há como regressar ao passado. É difícil não ficarmos paralisados perante uma cena destas…

  

publicado por adignidadedadiferenca às 01:30 link do post
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
20
21
22
24
25
27
28
29
31
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO