a dignidade da diferença
10 de Outubro de 2011

 

 

Centrado numa ideia muito particular da relação do Homem com a Natureza, Zemlia (A Terra), de Aleksandr Dovjenko, genial cineasta ucraniano, é um extraordinário filme panteísta, onde a natureza, munida de uma unidade vital e dinâmica, é concebida como um ser divino. Nele, existe uma harmonia espantosa entre os gestos ondulantes das searas, o olhar pensativo dos animais e o movimento dos corpos que trabalham na terra, revela-se um brilho sobrenatural quando pinta os frutos e as flores. Filme mudo, de 1930, com uma detalhada e preciosíssima fotografia a preto e branco (naturalmente!), ossui uma riqueza cromática muito superior a imensos dos posteriores filmes a cores. Concebido como um extraordinário poema visual, fruto de um acentuado lirismo assente no olhar maravilhado do seu autor, Zemlia dança entre planos gerais e grandes planos, profetiza sobre o que a vida tem de mais belo, regozija com a sua doçura, sonha com o paraíso e faz-nos esquecer, simultaneamente, como dele se afasta na realidade a condição humana. Um filme admirável, cuja imensa mise-en-scène nos consegue mostrar, nos seus 78 minutos de duração, como «a vida será doce, meiga e leve como um afago». Vimo-lo, pela primeira vez, esta noite.

 

publicado por adignidadedadiferenca às 01:38 link do post
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
20
21
22
24
25
27
28
29
31
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO