a dignidade da diferença
01 de Outubro de 2011

 

 

Biophilia é a mais recente utopia musical da genial islandesa. Björk, mais do que em qualquer outro disco, colocou a tecnologia ao serviço da substância musical. Segundo uma perspectiva wagneriana, será a obra de arte total da era digital. Trata-se, numa primeira leitura, de uma peça sideral, galáctica, interactiva e visual (agora numa versão tridimensional), basicamente idealizada num surpreendente jogo de espelhos cósmicos. Na medida em que questiona frequentemente novas formas de comunicação através de uma instrumentação quase sobrenatural, e expõe uma matéria musical heterodoxa e magnificamente científica, Biophilia será como certeiramente o definiu, no Expresso desta semana, o crítico João Lisboa: uma obra admirável que precisa, porém, de ser repetidamente escutada até se tornar amada. O que tem sido, convenhamos, usual no seu percurso musical mais recente, sobretudo a partir do excessivamente híbrido Vespertine (até hoje, na nossa opinião, o seu único passo musical em falso).

 

publicado por adignidadedadiferenca às 23:29 link do post
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
20
21
22
24
25
27
28
29
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO