a dignidade da diferença
14 de Setembro de 2011

 

 

É verdade que o período de grande fulgor criativo de Woody Allen já nos parece muito distante. Como acontece com quase todos os grandes cineastas – e este, sendo grande, não é, ainda assim, autor cujos filmes levássemos para uma ilha deserta – o percurso criativo de Allen, quando se aproxima do seu ponto final, mergulha irremediavelmente na mediania e no conformismo estético. Dele já não esperamos as chispas de génio do camaleão-Zelig, o romantismo irónico de Annie Hall ou de Manhattan, a profundidade emocional do magnificamente crepuscular Another Woman, a nostalgia deliciosa de A Rosa Púrpura do Cairo, o humor negro de Crimes e Escapadelas, ou, entre outros filmes admiráveis, o literário e mordaz Balas Sobre a Broadway. Os últimos trabalhos caíram na monotonia criativa e, tirando a acuidade crítica do notável Match Point, entre a apatia e a indigência, nenhum dos mais recentes filmes do realizador nova-iorquino escapou verdadeiramente aos seus lugares comuns. E foi assim até chegar o novíssimo Midnight in Paris, a mais recente comédia romântica de Woody Allen. Sem provocar uma ruptura temática ou mexer com a gramática cinematográfica, Midnight in Paris volta a colocar o seu autor num parâmetro estético bem acima da média. É um filme mágico, impressionista, uma belíssima e colorida fantasia visual, uma demonstração muito conseguida da capacidade de Woody Allen reinventar a sua fórmula narrativa. Uma história repartida por épocas diferentes, um delicioso regresso ao passado desfeito pelo vasto reportório do seu autor, capaz de, resumidamente, apimentar e pincelar em singulares polaroids os mais inesperados tipos de relações humanas, que compõe engenhosamente um filme com nervo, sentido estético, e simultaneamente cómico, trágico e apaixonado.

publicado por adignidadedadiferenca às 23:28 link do post
Concordo inteiramente. O habitual desdém pelo "presente" recebe aqui um tratamento fantasioso e irresistível, com uma grande moral. A vontade que eu tinha de apanhar a boleia para o passado!; não por nostalgia do desconhecido, quando muito não fosse pela oportunidade de conviver com os meus ídolos do passado. Incrível, a destreza com que Allen põe o conceito em filme.
Roberto Simões a 31 de Outubro de 2011 às 01:32
Plenamente de acordo. :-)
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
26
27
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO