a dignidade da diferença
08 de Setembro de 2011

 

 

«Gostaria de alargar a consciência das pessoas quanto ao tremendo período de tempo que temos pela frente – para o nosso planeta e para a própria vida. A maior parte das pessoas instruídas tem consciência de que somos o resultado de quase quatro biliões de anos da selecção de Darwin, mas muitos têm tendência a pensar que somos de algum modo o culminar da evolução. O nosso Sol, porém, ainda não chegou a metade do seu período de vida. Não serão os humanos que verão a morte do Sol, daqui a seis biliões de anos. As criaturas que existirão nessa altura serão tão diferentes de nós como nós somos das bactérias ou das amibas.»

Martin Rees, astrónomo e professor de Cosmologia e Astrofísica (Cambridge).

publicado por adignidadedadiferenca às 19:59 link do post
claro.
sem-se-ver a 14 de Setembro de 2011 às 14:10
Suponho que sim. :-)
Tb acredito paimente nisto.
Fátima Soares a 14 de Setembro de 2011 às 18:13
Quase diria: naturalmente...
Obrigada pela sua resposta e desculpe agora é que vi que me enganei queria dizer "piamente" Obrigado mais uma vez.
Fátima Soares a 15 de Setembro de 2011 às 00:55
Respondo sempre, embora, por vezes, não imediatamente. O piamente percebia-se perfeitamente pelo sentido da frase. Trata-se de um pequeno erro - normalíssimo nestas situações - que nem merece ser contabilizado.
P.S. Eu é que agradeço pela visita ao meu blog...
Eu acho que antes de tudo,devemos nos preocupar com o presente,o futuro a ninguém pertence!
Rodrigo Andrade a 4 de Outubro de 2011 às 18:59
Não posso concordar consigo, por se tratar de uma visão muito limitada e algo egoísta. Acreditando, como acredito, no conceito dinâmico de desenvolvimento, entendo que todos nós construímos o nosso próprio futuro - embora em circunstâncias que não escolhemos. Como seres humanos dotados de cérebro e consciência social, teremos, a meu ver, uma ideia, ainda que vagamente ténue , daquilo que está para vir. E, assim sendo, temos a responsabilidade de escolher e de construir um futuro que não é apenas nosso mas de toda a humanidade.
Sinceramente, acho que isso ninguém pode determinar, faz parte da natureza. Ela sim, poderá escolher o prazo para tudo.
Como o próprio Martin Rees diz: "nós somos (...) bactérias ou (...) amibas". E nós poderemos ser bactérias prejudicias à vida, ou benéficas. Cabe a nós decidir e agir de acordo com o que pensamos. Já que somos bactérias racionais, era bom que utilizassemos essa racionalidade para boas finalidades.
Mas não é isso a que se assiste, na sociedade contemporânea.
Imoralidade da Existência a 24 de Dezembro de 2011 às 03:23
Assino por baixo. :-)
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
26
27
29
30
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
É falso que o fenómeno tenha ocorrido no preciso m...
Acho que você é quem deveria pensar pela sua cabeç...
Experimente ler "Fátima, Milagre ou Construção?, u...
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
blogs SAPO