a dignidade da diferença
04 de Maio de 2008

 

 

 

 

A edição de que vou falar já pertence ao mês de Março, mas foi aí que tive o primeiro contacto com a revista «Arquitectura e vida», onde um magnífico artigo (ou texto crítico, como lhe chama o autor Alexandre Marques Pereira) sobre o Condomínio da Vinha, situado no Bairro Alto, reflecte sobre a ligação  que se vai perdendo entre a Arquitectura e a cidade, lamentando o autor «as mais recentes práticas da arquitectura, reduzindo-a a um mero conceito de objecto, seguindo apenas uma lógica contaminada pelo design e certas práticas do mundo das artes plásticas».

Uma revista feita não só para quem faz da arquitectura a sua profissão, mas francamente apelativa a meros curiosos ou a pessoas razoavelmente interessadas registando, nesse número, outros textos que nos ajudam a compreender melhor a articulação da forma arquitectónica com o meio e nos mostram como podem existir bonitas «casas-lofts» concebidas com sobriedade e cheias de vazios. Mais para diante, ainda há espaço para nos explicarem como as variações atmosféricas, provocadas pelo (ab)uso de combustíveis fósseis, contribuíram imenso para a degradação das superfícies arquitectónicas, terminando este número com um excelente trabalho sobre a caracterização das pontes antigas.

E aproveito a embalagem, dada pelo texto publicado pelo arquitecto Alexandre Marques Pereira, para aconselhar o clássico livro de Aldo Rossi «A arquitectura da cidade», publicado pelas Edições Cosmos que, como é destacado no artigo da revista, aborda, num conjunto riquíssimo de idéias sobre o papel fundamental das cidades,  questões essenciais como sejam a relação entre Tipo, Modelo e Arquitectura como Facto Urbano.

 

 

 

E como o mundo continua a avançar, aconselho, igualmente, a leitura do livro «Viver a arquitectura» do professor Steen Eiler Rasmussen, que escreve sobre os edifícios que todos habitamos e adaptamos à nossa forma de viver, ou seja, dá-nos a sua visão funcional da arquitectura e, não esquecendo muitos outros pensamentos, reflecte sobre o como perceber as coisas que nos rodeiam. A ler, positivamente, até porque a linguagem utilizada não se destina apenas a profissionais.

 

Boa tarde,
Gostei do post e concordo, no entanto fiquei curiosa sobre o texto de que fala do Arqtº Alexandre Marques Pereira, os livros "A Arquitetura e a Cidade" e "Viver a Arquitetura" eu já conheço, mas o artigo, não tive hipótese de ler, como é de uma revista já com algum tempo, queria pedir-lhe se tem como me fazer chegar esse texto.

Obrigada,

Liliana Dantas
Liliana Dantas a 20 de Setembro de 2011 às 13:15
Infelizmente, apesar de ter como costume guardar algumas revistas ou alguns textos que apreciei bastante, já não tenho em casa a revista onde constava o artigo que comentei (afinal, sempre passaram mais de 3 anos). Mas vou tentar arranjar uma solução alternativa, embora as hipóteses de sucesso sejam reduzidas. De qualquer forma, obrigado pela visita.
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
20
26
31
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não consigo vislumbrar uma ligação directa entre a...
Parece-me que existe uma grande crise de valores e...
Não me parece que a crise de valores ou os valores...
Muito bem! Embora nos dias de hoje e na sociedade ...
Certo; tudo bem que existissem questões políticas ...
Já tive o livro, de facto. Contudo, foi mais ou me...
CaroEstou a procura do livro fatima nunca mais mas...
Não deixa de ser um belo aforismo...
O que é a vida, senão um turbilhão de pensamentos ...
Pelo tema, enquadra-se nela sem grande esforço...
Fausto n e da tetralogia. Mas dolce. Q trata do du...
Parece-me uma boa escolha. O som é bom e a qualida...
blogs SAPO